PAPA FRANCISCO PEDE A ESTUDANTES QUE DEIXEM O VÍCIO DO CELULAR

Foto: Vatican News

O papa Francisco encontrou, na manhã deste sábado (13/4), na Sala Paulo VI, no Vaticano, cerca de 5 mil estudantes do Instituto “Visconti” de Roma, por ocasião do Jubileu Aloisiano, ou seja, os 450 anos do nascimento de São Luís Gonzaga, protetor da Juventude.

O Instituto Visconti é o Liceu Clássico mais antigo de Roma, fundado em 1871, na sede do Colégio Romano, por Santo Inácio de Loyola, um ano após a fundação da Companhia de Jesus (1550). O Colégio foi dedicado a Ênio Quirino Visconti, ilustre arqueólogo romano.

Durante discurso para os estudantes do instituto público Ennio Quirino Visconti, o papa Francisco pediu aos jovens  que se “libertem da dependência” do telefone celular, que é “como uma droga.”

“Libertai-vos da dependência do celular! Por favor!”, clamou Francisco. Ele explicou “que os telefones celulares são um grande progresso de grande ajuda, e é preciso usá-los, mas quem se transforma em escravo do telefone perde a sua liberdade”.

O papa lembrou que “o telefone celular é uma droga” que “pode reduzir a comunicação a simples contatos”.

“A vida é comunicar e não somente simples contatos”, disse Francisco, que também pediu aos estudantes que lutem contra o assédio escolar, que é como “uma guerra”, e confessou que lhe dói saber que, em muitos colégios, existe este fenômeno.

Por ocasião da visita da escola ao Vaticano, o pontífice aludiu a um ensinamento de Santo Agostinho, doutor da Igreja Católica, em latim: “in interiore homine habitat veritas” – “A verdade vive no interior do homem”.

Inclusão e diversidade

A escola deve educar em prol da inclusão, do respeito à diversidade e da cooperação, sublinhou o papa. Nesse contexto, o pontífice disse aos estudantes que não tenham medo “das diversidades” e lembrou que “o diálogo entre as diferentes culturas enriquece um país, enriquece a pátria, e nos faz olhar para uma terra de todos e não só para alguns”.

Outro dos conselhos do papa aos meninos e meninas do instituto romano foi que “na vida afetiva são necessárias duas dimensões: o pudor e a fidelidade”.

Francisco recomendou “amar com pudor e não descaradamente, e ser fiel”, e acrescentou que “o amor não é um jogo e é a coisa mais bela que Deus nos doou”.

Além disso, o papa aconselhou os estudantes a “nunca deixar de sonhar grande e desejar um mundo melhor para todos”.

O Santo Padre encontrou, na manhã deste sábado (13/4), na Sala Paulo VI, no Vaticano, cerca de 5 mil estudantes do Instituto “Visconti” de Roma, por ocasião do Jubileu Aloisiano, ou seja, os 450 anos do nascimento de São Luís Gonzaga, protetor da Juventude.

O Instituto Visconti é o Liceu Clássico mais antigo de Roma, fundado em 1871, na sede do Colégio Romano, por Santo Inácio de Loyola, um ano após a fundação da Companhia de Jesus (1550). O Colégio foi dedicado a Ênio Quirino Visconti, ilustre arqueólogo romano.

O Liceu Ennio Quirinio Visconti foi fundado em 1871, um ano após o fim do Estado Pontifício, na sede do antigo “Collegio Romano”, no coração do centro histórico da Cidade Eterna.

Com informações da Deutsche Welle, emissora internacional da Alemanha / No EBC e Vatican News.

Deixar uma Resposta

Publicidade