DUBLADORA DE ELSA FALA SOBRE QUESTÃO LEVANTADA POR MINISTRA: ‘ACHO QUE ELA NÃO VIU O FILME ATÉ O FIM’

A declaração de Damares Alves, Ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, sobre a sexualidade da personagem Elsa, do infantil “Frozen”, pegou muita gente de surpresa. Segundo a pastora, a princesa mora num castelo sozinha, pois seria lésbica. O “tratado” de Damares foi postado num vídeo de 2018 e pipocou nas redes sociais no último fim de semana.

A atriz e cantora Taryn Szpilman, dubladora de Elsa e cantora da versão brasileira de “Let it go”, intitulada “Livre estou”, foi uma destas pessoas que não entenderam a conclusão da ministra. “Começaram a me marcar em vários posts e aí fiquei sabendo do conteúdo”, diz ela: “Como espectadora, e uma espectadora muito íntima da personagem, acho um equívoco pensar na sexualidade dela. O desenho não trata de amores românticos ou de uma princesa que precisa de um final ao lado de um príncipe. Mas fala do amor entre duas irmãs, do que é fraterno”.

Na reflexão de Taryn (que ainda não conversou com a Disney, produtora do filme, sobre a questão levantada pela ministra), Elsa é uma das princesas mais empoderadas das histórias infantis. “Ela é muito próxima do universo da mulher atual. A Elsa quis se isolar para descobrir quem ela é e como lidar com seus poderes, que ela acreditava serem do mal. É uma história linda de descobertas”, pontua.

O segundo filme da franquia será lançado em breve e Taryn ainda não sabe se Elsa terá um par. Seja ele masculino ou não: “Acho que isso é o que menos importa. A história fala de perdão, das relações de afeto”

Mãe de duas meninas, Isadora, de 10, também dubladora, e de Valentina, de 2, a atriz diz que a polêmica não chegou até elas. “E mesmo que chegasse à mais velha, que tem mais maturidade para saber o que acontece, não faria a menor diferença. Crio minhas princesas para terem aceitação. Tenho amigos gays, lésbicas, com filhos, sem filhos… E isso é muito normal para elas”, analisa.

Taryn conta que no meio da polêmica viu muitas mães apoiarem Damares e dizer que vão boicotar um novo desenho. “Sinceramente? Acho que ela não viu o filme até o fim. Se tivesse assistido, entenderia que o principal é o reencontro entre duas irmãs que se separam ainda pequenas e que Elsa se transforma numa rainha poderosa, sem precisar de um homem que decida por ela. Que bom que Elsa é um exemplo para gerações que estão crescendo com ela”.

Fonte: Extra

 

Deixar uma Resposta

Publicidade