EDITORIAL

Conforme ensinou o historiador Luís da Câmara Cascudo, não há superioridade ou inferioridade de culturas. Elas são dinâmicas. E, só se pode propriamente respeitar as diversidades culturais se nos permitirmos vê-las de dentro para fora. Foi pensando nesse sentido, que quatro jovens desbravadores, cada qual munido de uma câmera fotográfica, se permitiram praticar a imersão na cultura popular, buscando o entendimento do legado e o caráter de resistência nas relações e questões da própria realidade social nas práticas e costumes do vaqueiro contemporâneo.

Para uma fotorreportagem se erguer perante a sociedade, deve haver consciência dos valores que lhe antecederam, seja na pesquisa ou seja por meio de sua curadoria. Às vezes, uma foto em si só diz menos, do que quando ela faz parte de um conjunto; ela se torna uma palavra, parte de uma ideia, um conceito, que pode recriar valores diante das grandes efervescências e discussões geradas no Rio Grande do Norte através das lentes.

Buscando sempre seu próprio ponto de vista, uma visão que é só deles, cada um dos quatro aspirantes ao fotojornalismo usou a fotografia para mostrar sua visão sobre o ambiente da vaquejada, que vivenciaram. Dito isso, foi necessário: mudar os ângulos, mirar a câmera para o céu ou para o chão. "Se apossar do coro". E nunca ter medo dos obstáculos que, às vezes, estão entre a câmera e o objeto de desejo. Ao final, quiçá ninguém vá receber um prêmio de fotografia ou de jornalismo, mas todos nós vamos ganhar visibilidade, e o tema ganhará o respeito que merece.

Os recortes escolhidos e apresentados aqui, nas seguintes páginas, mostram como o exercício da fotografia ajuda a compreender a nossa realidade em recorrentes contrates com o passado. De fato, ainda não dá para dizer até aonde ela vai chegar, pois o câmbio autor/leitor não depende da vontade dos próprios fotógrafos e dos ângulos que escolheram. Mas sim, do tempo e da empatia com o tema.

Ficou curioso para ver o resultado deste trabalho de pesquisa e imersão, através de fotografias? Você já conhece a nossa proposta de expandir os olhares sobre a vaquejada no Rio Grande do Norte, então venha com a gente e compartilhe seus novos conhecimentos adquiridos nesta leitura visual.

EditoresClique nos links abaixo e confira as fotorreportagens completas:CulturaReligiosidadeCaminho percorrido pelo boi na vaquejadaIndumentário