PREFEITO E CINCO VEREADORES SÃO PRESOS EM VILA FLOR

 

Vinte e dois promotores do Ministério Público Estadual e cerca de 120 policiais militares cumprem vários mandados de prisão e de busca e apreensão no município de Vila Flor, distante 80Km de Natal, desde as primeiras horas da manhã de hoje (19). O prefeito e cinco vereadores já foram presos.

Os promotoresdo Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), investigam a participação dos agentes públicos detidos em um esquema de pagamento de propina para favorecimento na Câmara Municipal do município.

Neste momento, o prefeito Grinaldo Joaquim de Souza (PHS) e outros cinco vereadores estão a caminho do Instituto Técnico e Científico de Polícia (Itep) para realizar exames de Corpo e Delito.

Nominuto.com

One response to “PREFEITO E CINCO VEREADORES SÃO PRESOS EM VILA FLOR

  1. Flagrante Preparado?

    Sabe-se que o MP estadual vem recebendo críticas pela sua falta de atuação ou pela demora na diligencia de certos processos envolvendo figurões da cidade grande. Crimes escancarados em grandes centros urbanos não estariam sendo denunciados e pela inércia e apatia do MP frente aos grandes temas a população começou a criticá-lo. Talvez para desconstruir esta imagem de quem não faz nada o MP tivesse organizado um verdadeiro show cinematográfico no caso da prisão do prefeito da Vila utilizando vereador como um efetivo “membro” do MP e da polícia judiciária, fornecendo a ele todo o aparato tecnológico necessário para o registro de um suposto esquema de corrupção e assim sair como o herói da história. A operação teria envolvido 22 promotores e mais 120 policiais por mais de cinco meses e a caçada aos 9 corruptos contou com cobertura ao vivo da TV e dos jornais. “Tinha mais polícia do que gente”, disse um popular diante da notória desproporção entre o efetivo utilizado e a quantidade de acusados.

    O caso impropriamente apelidado de “Mensalão da Vila Flor” [mas que deveria ter sido chamado de mensalinho, porque o valor supostamente pago era de R$ 500,00 mensais] é emblemático não por que se parece com aquele de Brasília [que envolve cifras astronômicas, na casa dos 127 milhões, cerca de 21 vezes o PIB anual da Vila e que pagava cento e cinqüenta mil a cada deputado], mas porque nos mostra definitivamente que somente o “pobre” é que vai pra cadeia. O município de Vila Flor tem menos de três mil habitantes e seu PIB de pouco mais de seis milhões por ano parece irrisório quando comparado a outros do RN, como Canguaretama, que possui PIB anual de quase oitenta milhões, cerca de treze vezes maior do que o da Vila, ou como o de Natal que atinge o valor de quase 13 bilhões ao ano, mais de mil vezes maior do que o de Vila Flor.

    Quanto custou a operação da Vila Flor e qual o valor desviado pelo prefeito? Somente o salário pago aos 22 promotores por cinco meses de trabalho atinge cerca de dois milhões e duzentos mil reais e provavelmente extrapolam muito o valor supostamente desviado pelo prefeito [pelo que diz a mídia o valor comprovado pode não passar dos cinco mil reais, mas vamos esperar mais informações]. A desproporção é grande e a operação precisou contar com a participação do civil para demonstrar o esquema. O procedimento é parecido com o que foi deflagrado pela Policia Federal e que posteriormente foi anulado pelo Supremo Tribunal por violar artigo da Constituição: 5°, inciso LVI, são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos. O fato do MP ter “delegado” ao vereador/investigador um poder indelegável provavelmente será o grande trunfo na mão do prefeito Grinaldo para sair da cadeia e o povo, que já começa a gostar de grandes ou pequenas pizzas, terá mais uma história pra contar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo