QUEIROGA ALERTA SOBRE NOVO AUMENTO DE CASOS E ÓBITOS NA CPI DA COVID

Foto: Sérgio Lima

Em seu 2º depoimento à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que a aceleração dos números de novos casos da doença nos últimos 15 dias pode levar a um aumento das internações e da pressão sobre o sistema hospitalar, acentuando a curva de óbitos. Ele, no entanto, evitou falar sobre o risco de uma “3ª onda” de contágio.

O cardiologista declarou desconhecer a atuação, em paralelo à pasta, de um suposto “gabinete das sombras“, conforme sugeriu o virologista Paolo Zanotto em um encontro de profissionais da saúde com o presidente Jair Bolsonaro, em setembro de 2020.

Queiroga admitiu conversar eventualmente com o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), apontado naquela reunião como “padrinho” do grupo, mas disse que o parlamentar nunca lhe falou do “tratamento precoce” de pacientes de covid-19 com medicamentos ineficazes, como cloroquina e ivermectina.

Questionado pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), o ministro relatou que “teve contato” com o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente, e com o empresário Carlos Wizard, além da médica oncologista Nise Yamaguchi -são nomes apontados por senadores independentes e de oposição ao governo como integrantes do grupo de aconselhamento paralelo. Mas não entrou em detalhes.

Como médico entendo que essas discussões [sobre tratamento precoce] são laterais e nada contribuem para pôr fim ao caráter pandêmico da doença. Meu foco é um e exclusivo: ampliar a campanha de vacinação no país“, afirmou o ministro.

Poder360

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo