HOMEM É PRESO POR MALTRATAR ANIMAIS E MATAR CACHORROS; PROTETORA DENUNCIA QUE CARNE TERIA SIDO VENDIDA COMO SE FOSSE DE BODE

Foto: Reprodução/WhatsApp

Um homem foi detido pela polícia por maus-tratos contra animais no bairro do Ibura, na Zona Sul do Recife (PE). Imagens mostram que, na casa dele, havia carcaças de cachorros, fezes e animais bastante doentes e debilitados.

O caso foi descoberto pela protetora de animais Maria do Carmo Figueiredo França de Souza, conhecida como Carmo Proteção. Ela disse que foi até a casa do homem na noite do sábado (8) e que, no local, encontrou as carcaças, além de 17 animais maltratados.

Segundo testemunhas, a carne teria sido vendida como se fosse de bode. Maria do Carmo afirmou, ainda, que chamou a polícia depois que viu a situação da casa em que o homem mora e que ficou até a madrugada do domingo (9) no local.

“Na hora da apreensão, a polícia chegou e disse: ‘O senhor está preso, tem o direito de permanecer calado ou chamar um advogado’. Ele disse: ‘Eu já sei o que é, já. É os cachorros, né? Pode me prender’. Ele é um idosinho. Perguntaram a ele: ‘Rapaz, por que tu fazias isso com os cachorros?’. E ele disse: ‘Eu precisava, minha filha, eu precisava’. Ele confessou”, afirmou a mulher.

A denúncia sobre a suposta venda de carne de cachorro é investigada pela Polícia Civil. Maria do Carmo relatou que isso foi dito por pessoas que estavam no local e também foi questionado ao homem, que apontou a participação da esposa no caso.

“Disseram: ‘E por que você deixava o pessoal vender como carne de carneiro, de bode?’. Ele disse: ‘Eu não sei o que faziam com eles, não. Ela que levava. Eu só raspava eles, dava banho e ela levava’, a mulher, para vender, a mulher dele”, declarou a protetora de animais.

De acordo com a Polícia Civil, o homem foi autuado por maus-tratos contra animais e foi conduzido à Delegacia de Boa Viagem para “aplicação das medidas cabíveis”. A corporação não informou quais foram essas medidas nem se o homem foi solto após a autuação.

Mesmo sem condições de cuidar dos bichos, Maria do Carmo resgatou 17 animais e os levou para casa, entre cães, gatos, periquitos, galinha e galo.

“Eu não tenho condições de cuidar. Não tenho ração suficiente nem tenho recursos para cuidar. Tem muitos com tumores, feridas. Ele vivia com um ferro batendo neles”, afirmou.

g1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo