LULA: “NÃO SOU CANDIDATO PARA SER PROTAGONISTA, SOU CANDIDATO PARA GANHAR AS ELEIÇÕES”

Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

O ex-presidente da República e líder das pesquisas eleitorais para 2022, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), afirmou que não tem “nenhum problema” em fazer uma chapa com Geraldo Alckmin (sem partido) para ganhar as eleições. Deu a declaração em conversa com representantes de veículos de mídia digitais simpáticos à ideologia de esquerda, ao PT ou a Lula nesta 4ª feira (19.jan.2022).

O petista não foi confrontado com perguntas difíceis sobre Lava Jato (ainda que os processos tenham voltado para a 1ª Instância, as provas seguem sem contestação definitiva) ou a recessão econômica produzida pelo governo de Dilma Rousseff, com uma inflação maior (10,7% em 2015) do que a de 2021, mas sem pandemia.

Lula reforçou que a aliança é possível: “Não sou candidato para ser protagonista, sou candidato para ganhar as eleições, e num momento em que o Brasil está infinitamente pior do que em 2003, quando tomei posse. Ganhar as eleições é mais fácil que governar, e governar significa que você tem que adquirir uma possibilidade muito grande de conversar com as pessoas. Por isso precisamos fazer alianças”.

“Nós temos divergência? Temos. Por isso pertencemos a partidos diferente. Temos visão de um mundo diferente? Temos. Mas isso não impede que, se for necessário, que você construa a possibilidade de as divergências serem colocadas no canto e você colocar as convergências no outro canto para você poder governar. Eu não terei nenhum problema se tiver que fazer uma chapa com o Alckmin pra ganhar as eleições”, afirmou o petista.

Lula falou em resposta a Laura Capriglione, da Rede Jornalistas Livres, que criticou Geraldo Alckmin e o ligou a chacinas em São Paulo.

Eis a pergunta na íntegra: “O senhor imagina uma chapa do PT para derrotar o Bolsonaro, porque é isso que se trata, a gente precisa derrotar o Bolsonaro como 1ª missão. Mas o senhor imagina uma chapa para derrotar o Bolsonaro que o PT lidere e que tenha como vice um cara que fez o massacre do Pinheirinho, o cara que perseguiu professores, o cara que bombardeou secundaristas, o cara que é o principal responsável por chacinas que ocorreram na periferia de São Paulo em 2006. Eu queria perguntar se, em tese, já que não discutimos nomes. Se em tese o senhor admite uma composição como essa no governo, como vice-presidente”.

Lula respondeu dizendo que a jornalista “construiu uma quantidade enorme de defeitos para falar do Alckmin”.

Segundo o político do Partido dos Trabalhadores, ainda não é possível definir se a aliança se concretizará porque ainda falta Alckmin definir para qual partido irá, e o próprio PT definir sobre a candidatura de Lula.

O ex-presidente disse que para ocorrer a definição, “é preciso ele querer, é preciso saber que partido ele vai entrar e é preciso saber a definição do meu partido”.

“Eu espero, se as forças políticas que me apoiam decidirem que o Alckmin é vice, que ele [Alckmin] esteja ouvindo o que eu tô falando, porque ele tem que provar que ele vai ser igual ou melhor que o José Alencar. Aí eu estarei tranquilo.”

Poder360

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo