CASO BRUNA: CONCLUSÃO DO INQUÉRITO ATRASA POR FALTA DE ESTRUTURA NO SETOR DE EXTRAÇÃO DE DADOS

Foto: Reprodução

O setor de inteligência da Polícia Civil, responsável pela extração de dados de aparelhos celulares que são de peças de inquéritos está com uma demanda além do normal. A falta de estrutura da instituição provoca o atraso na conclusão de procedimentos investigativos de todo o Estado. Esta afirmação foi feita por uma fonte do PortalBO que acompanha o caso do assassinato da vendedora Ana Bruna Rodrigues, de 22 anos, morta no dia 29 de abril deste ano, em uma loja de variedades localizada no Centro de Parnamirim.

O delegado Emerson Valente que preside o inquérito que investiga a morte de Bruna disse ao portal que os celulares apreendidos em junho ainda não foram periciados pelo setor responsável, o que o obriga a solicitar um prazo maior para concluir as investigações e remeter o inquérito a justiça.

Em Junho, o delegado solicitou a justiça que sete mandados de busca e apreensão fossem expedidos, na capital, Parnamirim e em São Tomé, cidade Natal de Ana Bruna. Sete celulares foram apreendidos e podem conter conversas e registros de ligações que revelarão o que motivou o crime.

Devido a essa realidade outros procedimentos estão na mesma situação de atraso provocando apelos de urgência por parte das famílias das vítimas.

Em contato com a assessoria de comunicação da Delegacia Geral da Polícia Civil, o portal foi informado que as ações realizadas pelo setor de inteligência são mantidas em sigilo, não podem ser divulgadas as informações e características dos casos pela sensibilidade do tema.

Com informações do Portal BO.

Ana Bruna foi morta a tiros enquanto trabalhava em uma loja localizada no Centro de Parnamirim do dia 29 de abril deste ano. Câmeras do circuito interno de segurança registraram o momento em que um homem de boné, de roupa preta e com o rosto encoberto entrou na loja, localizou a vítima – que não reagiu -, sacou a arma e fez os disparos à queima-roupa.

O criminoso não roubou nada do local e fugiu em uma moto preta – com a qual havia chegado à loja. A Polícia Militar foi chamada, isolou a área e fez buscas pela região, mas não encontrou o autor dos disparos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo