Mensagens encontradas em escola privada da Grande Natal prometiam “atos violentos” no dia 20

Foto: Ilustrativa/Reprodução

A escola privada PH3, localizada em Parnamirim, Grande Natal, confirmou que nesta segunda-feira (10), encontrou mensagens sobre um possível ataque dentro da unidade de ensino.

A mensagem estava escrita na parte interna do banheiro feminino e faria referência a “atos violentos provavelmente a serem praticados no dia 20/04”.

“Tal ato visa espalhar medo entre alunos e entrar nessa corrente de redes sociais, em especial, TikTok”, confirmou citou a nota enviada pela escola. A PH3 informou que, tão logo soube da informação, tomou as medidas cabíveis, seguindo orientação do Governo Federal, no programa “Escola Segura”. Ou seja: registrou boletim de ocorrência e buscou as câmeras para que pudesse constatar o movimento nso banheiros.

“Ao ser identificado (a), esse (a) estudante será devidamente responsabilizado (a) de acordo com a orientação dos órgãos de segurança e para isso contamos também com o apoio dos pais e responsáveis, na vigilância atenta do que seus filhos praticam, compartilham e consomem na internet”, afirmou.

A PH3 ainda descatou que, apesar de serem comuns as pichações nas portas de banheiros, cadeiras meses, “ao longo de todo o contexto das escolas, nenhuma fala ou ato será negligenciado”.

ESCOLA SEGURA

Após o ataque que vitimou crianças de uma creche em Blumenau, Santa Catarina, o Governo Federal criou um canal de denúncia para receber informações sobre possíveis ameaças a escolas: o Escola Segura. A plataforma permite que as denúncias sejam investigadas de forma mais rápida e eficiente.

Qualquer usuário pode realizar denúncias, de maneira anônima. As informações enviadas serão mantidas sob sigilo. Ao denunciar, é importante inserir o maior número de informações possível, como forma de facilitar a análise da ocorrência.

No campo “Página da internet” o denunciante deve informar o endereço eletrônico da postagem que contenha a ameaça. No campo “Comentário”, deve ser preenchido com as informações relevantes da ocorrência, como o município, estado, escola da denúncia e mídia social de origem da ocorrência.

Em caso de emergência, deve-se entrar em contato com o 190 ou delegacia de polícia mais próxima.

Os dados enviados por meio do canal serão analisados por uma equipe de 50 policiais do Laboratório de Operações Cibernéticas (Ciberlab), da Diretoria de Operações Integradas e Inteligência (Diopi), que se dedicará nos próximos dias, exclusivamente e em regime de plantão 24 horas, ao monitoramento das ameaças contra escolas na internet.

RN E OS ATAQUES

Vale lembrar que em março, antes do ataque em Blumenau, uma operação integrada da Polícia Civil do Rio Grande do Norte e da Polícia Civil de Minas Gerais resultou na prisão de um jovem, de 21 anos, responsável por criar perfil nas redes sociais com intuito de divulgar um possível atentado, com emprego de arma de fogo, na Escola Estadual Oswaldo Lucas Mendes, em Taiobeiras, no estado de Minas Gerais. A página fazia referência ao massacre histórico de Columbine, ocorrido em 20 de abril de 1999. A prisão aconteceu nesta sexta-feira (24), no município de Currais Novos, no Rio Grande do Norte.

De acordo com as investigações de policiais civis de Minas Gerais, as primeiras ameaças ocorreram na quarta-feira (22), por meio da página do Instagram, com publicações de fotos recentes do interior da escola. A polícia foi acionada para fazer a segurança e o local foi imediatamente esvaziado, situação que gerou pânico na cidade.

Portal 96 FM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo