Psiquiatra descobre que é autista aos 42 anos e ajuda desmistificar transtorno nas redes

Foto: Reprodução

 Aos 42 anos, o psiquiatra paulista Alexandre Valverde se descobriu autista. Desde então, o médico, que tem um vasto currículo inclusive com pós-graduação em Paris, atua no combate à estigmatização e nos esclarecimentos sobre autismo.

Ele posta vídeos em que explica a condição e mostra que é possível viver bem e feliz convivendo com o autismo. “Foi libertador”, desabafou.

Mesmo vindo de uma família de médicos, o profissional paulistano só entendeu que era neurodivergente ao ter contato mais próximo com pacientes com esta condição.

Bem-humorado e absolutamente resolvido com o autismo, o psiquiatra paulistano disse ter compreendido que é necessário mudar a cultura da sociedade para entender que ser neurodivergente é fazer parte de uma minoria que deve ser aceita por todos. “A minha história pode ser a de muita gente, quem sabe eu contando o que vivi e vivo ajude? É libertador tudo isso, sair das amarras.”

“Nunca suspeitei que fosse autista. Sempre tive uma vida normal, mas meu conceito de normalidade é diferente. Tenho dupla excepcionalidade, além de autista, tenho altas habilidades, que antigamente era conhecido como superdotação. Então, minha forma de ver o mundo sempre foi diferente”, diz Valverde.

A suspeita de que poderia ser uma pessoa dentro do espectro autista só apareceu para Alexandre com uma conjunção de fatores: o primeiro foi o isolamento imposto pela pandemia de Covid-19, que acabou sendo até prazeroso para ele. A isso se juntou a descoberta de estar em um relacionamento tóxico, condição comum para pessoas dentro do espectro devido ao hiperfoco. Por fim, o contato com seus próprios pacientes autistas o ajudou a se entender.

 Os diferentes graus do autismo

Valverde começou a buscar orientação e  procurou outro profissional para um diagnóstico formal que apontou ele no grau 1 do autismo e confirmou sua condição de altas habilidades, que também era só uma suspeita.

O transtorno do espectro autista tem três graus, sendo o 3 apontado como o mais severo, quando a pessoa necessita de muito suporte para manter suas relações sociais e pode ter atrasos cognitivos.

 Pacientes com graus mais leves tendem a adotar estratégias, conscientes ou inconscientes, para disfarçar comportamentos e agir como o esperado pela sociedade, praticando o “mascaramento”.

Metrópoles/Só Notícias Boas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo