PARAGUAIOS PEDEM RENÚNCIA DE PRESIDENTE POR OMISSÃO NA PANDEMIA; VEJA VÍDEO

Julio Mazzoleni, até então ministro da Saúde do Paraguai, disse na véspera da sua renúncia que não aceitaria o pedido do Legislativo. Foto: Reprodução/Facebook.

Centenas de paraguaios protestaram nessa 6ª feira (5.mar.2021) contra o presidente, Mario Abdo Benítez, pela má gestão da pandemia de covid-19. Os manifestantes pedem a saída de Marito, como é conhecido.

O grupo gritou palavras de ordem em frente ao Palácio Legislativo em Assunção, capital do país, e também em frente ao Palácio do Governo. Em vídeos do protesto, é possível ouvir o grupo gritar “Fuera, Marito!”. Assista:

CONFRONTO COM A POLÍCIA

Os protestos começaram pacíficos, mas evoluíram para conflito com agentes de segurança. A polícia usou balas de borracha e bombas de gás lacrimogênio, deixando manifestantes feridos. Prédios e carros foram vandalizados.

A Central de Polícia foi atacada por um grupo encapuzado. Vários agentes foram feridos no confronto e os policiais pediram rendição.

MINISTRO DA SAÚDE RENUNCIA

Na 5ª feira (4.mar) os senadores emitiram uma resolução exigindo a saída do ministro da Saúde, Julio Mazzoleni. Ele chegou a dizer que não deixaria o cargo, mas cedeu e renunciou na 6ª feira (5.mar): “Combinamos juntos que deixo o cargo do Ministério da Saúde Pública para gerar a paz de que precisamos para enfrentar este desafio”, afirmou o agora ex-ministro.

Poder360

GUEDES ANUNCIA ANTECIPAÇÃO DE 13º DE BENEFICIÁRIOS DO INSS

Foto: Marcos Corrêa

Pelo segundo ano consecutivo, os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) receberão o décimo terceiro salário de forma antecipada, disse há pouco o ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo o ministro, a medida só vai ocorrer depois da aprovação do Orçamento Geral da União deste ano.

“O abono salarial já foi antecipado. Agora, assim que aprovar o orçamento, vai ser antecipado o décimo terceiro justamente dos mais frágeis, dos mais idosos, como fizemos da outra vez”, disse o ministro. No ano passado, os beneficiários do INSS tiveram o décimo terceiro antecipado para abril como medida de ajuda à população mais afetada pela pandemia de covid-19.

O ministro deu a declaração após reunião com o deputado Daniel Freitas (PSL), relator da proposta de emenda à Constituição (PEC) Emergencial na Câmara dos Deputados. Aprovado ontem (5) em segundo turno pelo Senado, o texto foi encaminhado para a Câmara, onde deve ser votado na próxima semana.

Guedes também anunciou que pretende reeditar o programa de suspensão de contratos e de redução de jornada (com redução proporcional de salários) que vigorou no ano passado. “O BEm, que é o programa de preservação de empregos, já estão sendo disparadas as novas bases. Então, tem mais coisa vindo por aí”, acrescentou Guedes.

Agência Brasil

DALAI LAMA RECEBE PRIMEIRA DOSE DE VACINA CONTRA CORONAVÍRUS

Foto: Equipe de Dalai Lama via Reuters

Dalai Lama, o líder espiritual do Tibete e do budismo, de 85 anos, recebeu a primeira dose da vacina contra o coronavírus neste sábado (6).

Ele foi vacinado na cidade montanhosa indiana de Dharamsala, na Índia, onde ele vive em refúgio.

Dalai Lama, após receber a dose, apelou a todos que são elegíveis a tomar a vacina para se vacinarem e também cuidarem da saúde.

Outras dez pessoas que moram na residência do Dalai Lama também foram vacinadas. Todos receberam a vacina Covishield, que é feita na Índia com a tecnologia desenvolvida pela Oxford em conjunto com a AstraZeneca.

A Índia permitiu a vacinação para o público em geral desde 1º de março. Nessa segunda fase, a Índia está vacinando pessoas com idade superior a 60 anos e 45 anos ou mais com comorbidades.

Em 1959, com um levante fracassado no Tibete, que foi brutalmente reprimido pelo governo chinês, milhares de tibetanos fugiram para a Índia, incluindo seu líder espiritual Dalai Lama  Desde então, ele dirige um governo paralelo de sua residência nas colinas em Dharamsala.

Do G1/CNN Brasil

COMÉRCIO NÃO TEM CULPA POR AGLOMERAÇÕES E PRECISA DE CRÉDITO, DIZ NOTA DA CDL NATAL

Diego Campelo/Portal Grande Ponto

Fonte: Portal Grande Ponto

Após o decreto publicado ontem (05) pelo Governo do RN com novas restrições sociais para conter a Covid-19, inclusive com ampliação do toque de recolher para as 20h e o dia todo aos domingos, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL Natal) divulgou uma nota em que pede “empatia” por parte do governo com o setor produtivo, “que tanto tem contribuído e sofrido para que as medidas preventivas sejam cumpridas”.

Ainda na nota, os empresários pedem ao governo diálogo, sensibilidade às demandas do setor e solicitam crédito por meio da Agência de Fomento do RN (AGN).

“Solicitamos que antes de qualquer medida, fosse disponibilizado crédito via Agência do Fomento, uma vez que ainda não temos nenhuma sinalização de políticas de emprego e assistência”, diz a nota.

Apesar das ressalvas, a CDL Natal entende que o momento é delicado e que ações mais severas se fazem necessárias. Com informações do Grande Ponto.

Leia a nota na íntegra:

A respeito do novo decreto publicado pelo Governo do Estado, no qual endurece as medidas sanitárias e preventivas ao Covid -19, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Natal entende que o momento é delicado, o Rio Grande do Norte está com 91% dos leitos Covid ocupados, portanto, ações mais severas se fazem necessárias.

Temos defendido junto a governadora Fátima Bezerra a manutenção do funcionamento das atividades comerciais, desde que se cumpram rigorosamente todos os protocolos de biossegurança e prevenção ao novo Coronavirus. Entendemos e reforçamos não ser o comércio o culpado pelas aglomerações e consequente aumento de contaminação da população, porém sabemos que todos devem contribuir para o bem comum da sociedade, e assim o faremos.

Do Governo Estadual e Municipal esperamos a empatia com o setor produtivo que tanto tem contribuído e sofrido para que as medidas preventivas sejam cumpridas. Que sejam sensíveis as demandas do setor, que mantenham o diálogo conosco no momento oportuno e nos deem condições de trabalhar de forma adequada. 

Nos solidarizamos com toda classe empresarial que mais uma vez sentirá os impactos das medidas adotadas. Solicitamos que antes de qualquer medida, fosse disponibilizado crédito via Agência do Fomento, uma vez que ainda não temos nenhuma sinalização de políticas de emprego e assistência. A CDL Natal se preocupa com as consequências sociais (saúde, segurança, trabalho e economia) que decorrerão das medidas adotadas pelos governos.

Por fim, pedimos a colaboração de todos para passarmos por mais esse momento difícil. Usem máscaras, lavem a mãos com água e sabão, use álcool em gel, mantenham o distanciamento social e evitem aglomerações.

José Lucena – Presidente da CDL Natal

RESTAURANTES FAZEM PROTESTO EM NATAL E ALERTAM CONTRA FECHAMENTO

Foto: Divulgação

Representantes de bares e restaurantes protestaram em frente à Feirinha de Artesanato de Ponta Negra na noite desta sexta-feira (05) contra as medidas que restringem ainda mais o fluxo de clientes.

Os manifestantes exibiam cartazes e pediam que o Governo do RN repensasse as medidas que já passam a valer a partir de hoje (06), como o toque de recolher a partir das 20h, o que afeta diretamente o setor de bares, restaurantes e o turismo como um todo.

Grande Ponto

AUMENTO DA GASOLINA TAMBÉM CAUSA IMPACTO NO PREÇO DO ETANOL

Foto: Tomas Silva/ABr

O consumidor, afetado pelo preço da gasolina, também está tendo dificuldades para recorrer ao substituto imediato nos veículos com motor flex. Motivado por uma combinação de entressafra e aumento de demanda, o preço do etanol hidratado acumula aumento de 21,1% desde janeiro, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O preço médio do litro do combustível saltou de R$ 3,221 para R$ 3,901, conforme o levantamento semanal da ANP. Apesar de ser mais cara que o etanol, a gasolina comum subiu menos: 14,6% de janeiro a março. O preço médio do litro da gasolina no país passou de R$ 4,622 para R$ 5,299.

No atacado, o aumento é ainda maior. Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o etanol acumula alta de 35% nas usinas do Centro-Sul, a principal região produtora do país.

Dependendo do modelo do veículo, o etanol torna-se vantajoso quando custa até ou menos que 75% do valor da gasolina. Segundo o levantamento da ANP, somente seis estados atingiram essa proporção na primeira semana de março: Goiás (68,9%), Mato Grosso (69,3%), Minas Gerais (72,8%), Amazonas (74,4%), Mato Grosso do Sul (74,7%) e Sergipe (74,9%).

Em alguns estados, o preço do etanol quase se iguala ao da gasolina. As maiores proporções foram registradas no Amapá (93,9%), Rio Grande do Sul (91%), em Santa Catarina (85,9%) e no Pará (83%).

Demanda e oferta

Mesmo com o etanol sendo desvantajoso na maioria dos estados, a demanda pelo substituto da gasolina está aumentando. De acordo com a edição mais recente do Boletim de Monitoramento Covid-19, do Ministério de Minas e Energia, o consumo de gasolina em 2021, até 23 de fevereiro, tinha caído 4,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Em contrapartida, o consumo de etanol hidratado subiu 6,1% na mesma comparação.

À demanda maior do etanol, somam-se fatores ligados à safra de cana-de-açúcar. A tradicional entressafra, no início do ano, encarece o etanol no primeiro quadrimestre. Neste ano, porém, a oferta continuará baixa por mais tempo.

Segundo a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Única), a safra deste ano deve atrasar por causa da estiagem no segundo semestre do ano passado no Centro-Sul. Com menos chuva na primavera, as plantações de cana estão levando mais tempo para se desenvolver, fazendo parte das usinas adiar a colheita que costuma ocorrer no início de abril.

Durante a entressafra, a produção de etanol de milho costuma substituir o combustível proveniente da cana-de-açúcar. O ritmo, no entanto, é insuficiente para repor a oferta. Até a metade de fevereiro, conforme o levantamento mais recente da Única, a produção de etanol acumulava 29,68 bilhões de litros, queda de 8,54% sobre os 32,45 bilhões de litros obtidos no mesmo período na safra 2019/2020.

Agência Brasil

MOTORISTA MORRE CARBONIZADO APÓS ACIDENTE ENTRE CARROS E CAMINHÃO NA BR-304 NO RN

Carro pegou fogo após colisão na BR-304, no RN. Motorista morreu no local. — Foto: Redes sociais

No início da manhã deste sábado(06), por volta das 5h30, houve uma colisão envolvendo  três veículos na altura do município de Lajes, na região Central potiguar.  na BR-304.  De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), um homem morreu no acidente.

Ainda de acordo com a PRF, a colisão envolveu uma carreta e dois carros modelos fiorino e corolla no quilômetro 196 da rodovia.

Após a batida, a fiorino pegou fogo e o motorista do veículo morreu carbonizado. A vítima ainda não foi identificada oficialmente. Não houve mais feridos.

Carro pegou fogo após colisão na BR-304, no RN. Motorista morreu no local. — Foto: Redes sociais

A carreta ficou virada na pista. O outro veículo também permaneceu no local após o acidente. A PRF ainda não informou como o acidente teria acontecido. O caso será investigado pela Polícia Civil.

Equipes do Samu, do Corpo de Bombeiros, do Itep e Polícia Civil foram ao local para atender a ocorrência. Com informações do G1/RN.

CENTRO COVID-19 DO CEMURE EM NATAL FUNCIONA NESTE FIM DE SEMANA

Centro de Enfrentamento à Covid-19 | Foto: Prefeitura de Natal

O Centro de Atendimento para Enfrentamento a Covid-19 localizado no Centro Municipal de Referência em Educação (Cemure) estará de portas abertas neste sábado e domingo. O atendimento será das 8h às 16h. Para o atendimento, o cidadão terá que apresentar comprovante de residência de Natal e documento de identificação com foto.

“No final de semana anterior abrimos o Centro Covid-19 do Cemure e em dois dias atendemos mais de 400 pessoas com suspeita de covid-19. Decidimos abrir novamente neste final de semana para atender os pacientes com algum desconforto respiratório”, explicou George Antunes, secretário de Saúde de Natal.

O Secretário ainda explicou que os Centros de Enfrentamento à Covid-19 são Centros de Atendimento Médico e não de testagens. “Cabendo apenas ao médico a prescrição de testagem e dispensação de medicamentos”, esclarece Antunes.

A Secretaria Municipal de Saúde de Natal reforça que os Centros Covid atendem casos leves suspeitos da doença, como tosse, febre ou dor de cabeça. Pacientes com sintomas graves, como falta de ar, devem buscar atendimento nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) que funcionam 24h por dia. A população ainda deve permanecer com os cuidados de distanciamento, uso de máscara e higienização das mãos.

O Cemure fica localizado na avenida Coronel Estevam, 397, bairro Nossa Sra. de Nazaré, zona Oeste da capital.

GOVERNO PRETENDE COMEÇAR A PAGAR AUXÍLIO EMERGENCIAL AINDA EM MARÇO, DIZ MINISTRO DA CIDADANIA

Foto: Reprodução

O Governo Federal pretende iniciar o pagamento da nova fase do auxílio emergencial ainda em março. A informação foi dada nesta sexta-feira, 5, pelo ministro da Cidadania, João Roma, em entrevista ao programa Os Pingos Nos Is, da Jovem Pan. Questionado sobre os próximos passos para a retomada do auxílio, o comandante da pasta disse que espera que a PEC emergencial, que permitirá o pagamento do benefício, seja aprovada até a próxima semana.

“A sequência que temos nesse momento é a aprovação na Câmara dos Deputados, ontem tivemos a aprovação no Senado Federal, temos a expectativa de que essa PEC seja aprovada na próxima semana na Câmara dos Deputados. A partir dai nós temos um marco legal para dar sequência à efetivação do pagamento do auxílio emergencial”, disse João Roma, que continuou, dando detalhes sobre o pagamento. “Esse auxílio emergencial será (pago) em quatro parcelas e pretendemos iniciar o pagamento ainda no mês de março”, afirmou, sem confirmar o valor das parcelas.

O ministro também falou sobre mudanças no Bolsa Família. Ao abordar o tema, João Roma disse que a prioridade no momento é a viabilização e execução do pagamento do auxílio emergencial, afirmando que, a partir de julho, quando o auxílio deixará de ser pago, o governo irá focar no programa social.

“Na sequência (do auxílio emergencial) vamos focar na reestruturação e ampliação do Bolsa Família. Nós queremos fortalecer o programa Bolsa Família e, inclusive, chegar à novas famílias, uma vez que, na execução do auxílio emergencial em 2020, foi possível identificar novas pessoas em situação de vulnerabilidade, ampliar o grau de informação nos nossos bancos de dados”, disse o ministro. Por fim, o ministro comentou sobre as medidas restritivas adotadas em diversas regiões, pedindo cautela às autoridades.“É preciso muita cautela, mas não podemos admitir sobressaltos e atitudes precipitadas, uma vez que a própria Organização Mundial da Saúde (OMS) alega que o melhor caminho não é o lockdown”, concluiu.

Por Jovem Pan

NOVAS RESTRIÇÕES DEVEM AUMENTAR NÚMERO DE DESEMPREGADOS E FALÊNCIAS

Foto: Reprodução

As novas restrições de circulação em diversos estados pelo país terão impactos mais dolorosos na economia, afirmam representantes de diversos setores.

Sem programas de manutenção do emprego definidos por parte do governo, baixo acesso ao crédito e com um volume crescente de contas a pagar, o receio é de que as empresas, principalmente as de pequeno porte, entrem em colapso financeiro —aumentando o número de demissões e de falências.

Segundo o presidente da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), Percival Maricato, apesar de as ações tomadas pelo governo serem vistas como essenciais, o momento também requer novos programas de saneamento das companhias.

“É difícil falar de planejamento financeiro nessa altura do campeonato, muita gente está tocando com a barriga para ver como vão sobreviver. Estamos com estabilidade de funcionários por seis meses, não estamos faturando e ainda temos que pagar bancos, proprietários dos imóveis, fornecedores, energia, IPTU e outros impostos. Ninguém tem dinheiro sobrando”, afirmou.

Em julho do ano passado, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou um decreto que permitiu a prorrogação do programa de suspensão de contrato de trabalho e de corte de jornada, que estava em vigor desde abril.

Com a medida, o prazo máximo do programa passou a ser de 120 dias. O decreto, no entanto, impunha que o empregador deveria oferecer estabilidade do emprego pelo mesmo período. Na prática, se o empresário optou por adotar a medida em julho, por exemplo, ele precisa manter o número de funcionários até o final de março deste ano.

Outro fator que também pode pesar no caixa dos empresários neste início de é o fim do prazo de carência do Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte).

“O prazo médio de carência do Pronampe era de oito meses. Para quem começou em julho, por exemplo, esse período se encerra agora, justamente quando começa a fechar tudo de novo”, afirmou o assessor econômico da FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), André Sacconato.

O último levantamento feito pela federação estima que o comércio varejista paulista possa registrar uma perda média de R$ 11 bilhões em março com as novas restrições das atividades não essenciais —valor semelhante aos impactos mensurados no recuo médio mensal de abril e maio de 2020, meses mais críticos da pandemia.

Na capital paulista, a perda estimada é de R$ 6 bilhões.

“Sem dúvida nenhuma as novas restrições aumentarão ainda mais o número de empresas com necessidade de encerrar as atividades. Já está todo mundo muito fragilizado, vindo de um momento de baixa e com muitas incertezas sobre o futuro”, disse Sacconato.

Mesmo as empresas que já migraram parte das suas operações para o digital não conseguiram elevar o faturamento ao ponto de suprir as perdas com as lojas físicas fechadas.

“Esse faturamento pode render de 10% a 30%, quando muito bem trabalhado. Então a internet e os aplicativos ajudam, movimenta funcionários e gasta o estoque parado, mas ainda assim é insuficiente”, disse Maricato.

As incertezas sobre o futuro do país, segundo especialistas, também acaba impactando em relação ao acesso ao crédito a partir de agora.

Segundo o presidente do Simpi (Sindicato das Micro e Pequenas Indústrias do Estado de São Paulo), Joseph Couri, apesar de ter existido um hall de boas intenções para tentar fazer com que o dinheiro chegasse na ponta, apenas 14% das pequenas empresas tiveram acesso a alguma linha de crédito.

“Há, agora, mais uma incerteza sobre o assunto, principalmente porque com o aumento da tributação sobre os grandes bancos, é possível que os juros aumentem para os tomadores de crédito. É preciso uma conversa séria entre o sistema financeiro, o governo e o setor privado para entender como as coisas devem caminhar”, afirmou Couri.

“Não há alguma ajuda ou socorro para todo mundo que vai ficar parado e ninguém aguenta tanto tempo com tantas idas e vindas. A medida das novas restrições é importante, mas teria que ter vindo com um colchão que minorasse os problemas que todos os setores enfrentaram caso mais empresas fechem”, disse o o vice-presidente da CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas) do Bom Retiro, Nelson Tranquez.

Além do socorro financeiro, os representantes também pontuam a necessidade de uma postura mais rígida das autoridades em relação a aglomerações nas ruas e festas clandestinas.

“Não adianta fechar as portas dos lugares que estão restringindo movimento e horários e não ter apetite para combater o pandemônio da 25 de março, praia, pancadão e festas clandestinas. É preciso que seja uma via de mão dupla”, disse Maricato.

Para o presidente da CNC (Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo), José Roberto Tadros, o primeiro passo do governo precisa ser na direção do combate ao coronavírus.

“O governo primeiro precisa fazer um programa sanitário, se preocupar em trazer as vacinas, porque o número de mortes está aumentando e isso está causando pânico. Depois, também será necessário um plano bem estruturado de saneamento das empresas, que diminua a situação calamitosa em que nos encontramos. Precisamos combater o nosso inimigo em comum”, disse.

Por Folha de São Paulo

MINISTRO DA ECONOMIA ANUNCIA ANTECIPAÇÃO DE 13º DE BENEFICIÁRIOS DO INSS

Foto: Divulgação

Pelo segundo ano consecutivo, os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) receberão o décimo terceiro salário de forma antecipada, disse  o ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo o ministro, a medida só vai ocorrer depois da aprovação do Orçamento Geral da União deste ano.

“O abono salarial já foi antecipado. Agora, assim que aprovar o orçamento, vai ser antecipado o décimo terceiro justamente dos mais frágeis, dos mais idosos, como fizemos da outra vez”, disse o ministro. No ano passado, os beneficiários do INSS tiveram o décimo terceiro antecipado para abril como medida de ajuda à população mais afetada pela pandemia de covid-19.

O ministro deu a declaração após reunião com o deputado Daniel Freitas (PSL-SC), relator da proposta de emenda à Constituição (PEC) Emergencial na Câmara dos Deputados. Aprovado ontem (5) em segundo turno pelo Senado, o texto foi encaminhado para a Câmara, onde deve ser votado na próxima semana.

Guedes também anunciou que pretende reeditar o programa de suspensão de contratos e de redução de jornada (com redução proporcional de salários) que vigorou no ano passado. “O BEm, que é o programa de preservação de empregos, já estão sendo disparadas as novas bases. Então, tem mais coisa vindo por aí”, acrescentou Guedes.

Chamado de Benefício Emergencial (BEm), o programa prevê que o trabalhador com contrato suspenso ou jornada reduzida receba a parcela do seguro-desemprego a que teria direito se fosse demitido em troca do corte no salário. Em troca, o empregador não pode demitir o trabalhador após o fim da ajuda pelo tempo em que o trabalhador recebeu o BEm.

Agência Brasil

LBV MOBILIZA DOAÇÕES PARA ASSISTIR FAMÍLIAS ATINGIDAS PELAS CHUVAS EM BAIA FORMOSA 

A Legião da Boa Vontade, intensifica por meio da Campanha LBV –SOS Calamidades a mobilização para arrecadar doações de itens de primeira necessidade, como alimentos não perecíveis e produtos de higiene e limpeza, para ser destinados as famílias atingidas pelas fortes chuvas que desabrigou cerca de 50 famílias moradoras no município de Baia Formosa.

Devido às chuvas nos últimos dias, a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros, analisaram as áreas atingidas, socorrendo as pessoas desalojadas, e contando com o apoio e parceria das Organizações Sociais no apoio emergencial as famílias necessitadas.

A LBV conta com a doação em alimentos não perecíveis, material de limpeza e higiene pessoal, para que na segunda-feira, 8 de março, no período da manhã, a Instituição com a Equipe de Voluntários, possa fazer a entrega dos donativos as famílias desabrigadas.

As doações podem ser entregues no Centro Comunitário da Legião da Boa Vontade, localizado a Rua dos Caicós, 2148 – Bairro Dix-Sept Rosado. Informações: (84) 3613-1655.

 

 

CÁRMEN LÚCIA MANDOU DESCUMPRIR DECISÃO DE SOLTAR LULA, DISSE DELTAN DALLAGNOL

Fo0to; Reprodução

Uma nova leva de diálogos apresentados pela defesa do ex-presidente Lula ao Supremo Tribunal Federal nesta quinta-feira (4/3) indica que Cármen Lúcia, então presidente da Corte, teria se movimentado nos bastidores durante a guerra de liminares que quase levou à soltura de Lula em julho de 2018.

Em um trecho da conversa entre procuradores, Deltan Dallagnol afirma que “Cármen Lúcia ligou para Jungman e mandou não cumprir e teria falado tb [também] com Thompson”. Raul Jungmann era ministro da Justiça, comandando, portanto, a Polícia Federal, e Thompson é Thompson Flores Lenz, então presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

À ConJur, o ex-ministro Raul Jungmann afirmou que Cármen não deu ordem para que ele desobedecesse a decisão que determinava a soltura de Lula. Ele disse também que nunca falou com Dallagnol.

À jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, Jungmann ainda disse que ele recebeu um telefonema de Cármen, mas “ela em nenhum momento me pediu absolutamente nada. Ela é juíza. Ela sabe que eu nada poderia fazer, nem para soltar, nem para manter alguém preso. Seria um crime, seria obstrução de Justiça”. Ele afirmou que vai interpelar Deltan para que o procurador “confirme ou desminta isso”.

A ConJur também entrou em contato com o gabinete da ministra para que ela se pronunciasse sobre o assunto, mas ainda não obteve resposta.

Bastidores da guerra

As conversas mostram a movimentação dos procuradores no dia 8 de julho de 2018, depois que o desembargador de plantão do TRF-4, Rogério Favreto, mandou soltar o ex-presidente, que estava preso desde 7 de abril.

“Precisamos que o presidente do TRF suspenda. Vou ligar pra PF pra pedir pra não cumprir. Orientação do Gebran [Neto, desembargador] é que a PF solte se não vier decisão do presidente do TRF”, disse Deltan Dallagnol, então chefe da “lava jato” paranaense. Em seguida ele complementa: “Pedi pra PF segurar” a soltura. O presidente do TRF-4 citado na mensagem é o desembargador Thompson Flores Lenz.

Depois de ligar para a PF, Dallagnol foi atrás de Maurício Valeixo, então superintendente da Polícia Federal. “Falei com Valeixo agora, seguem segurando. Estão em contato com o TRF tbm [também].”

Além da articulação com a PF e com desembargadores do TRF-4, Dallagnol também comentou a atuação do então juiz Sergio Moro, que tinha expedido despacho dizendo que Favreto era incompetente para decidir. “Moro tb não tem mais o que fazer. Agora dependemos de Vcs e da presidência”, disse, fazendo pressão na Procuradoria Regional do MPF.

A conversa mostra que os procuradores estavam atirando para todos os lados. Uma fala do então coordenador da “lava jato” resume isso. “Nossa palavra não faz verão. Precisamos de uma decisão. Qq [qualquer] que seja”.

Mais tarde, Dallagnol informou que uma “petição autônoma” já havia sido distribuída e logo viria uma decisão mantendo a prisão de Lula. “Tá fechando. Vai distribuir como petição autônoma. Thompson já está esperando.”

O pedido para manter a prisão foi enviado ao então presidente do TRF-4 por WhatsApp, segundo informou o procurador Carlos Augusto da Silva Cazarré.

Dallagnol então diz: “Valeixo [diretor da PF] falou com Thompson, que mandou não cumprir [a ordem de soltura] até ele decidir. Isso nos dá mais tempo”.

A decisão desfavorável a Lula veio pouco depois e o ex-presidente permaneceu preso. O ex-chefe da força-tarefa no Paraná comemorou: “É teeeetraaaa. Decisão assinada”.

Por: Conjur

TEM MAIS COISA VINDO AÍ’, AFIRMA PAULO GUEDES SOBRE MEDIDAS À PANDEMIA

Foto: Pablo Jacob

O ministro da Economia disse que o governo deve antecipar o pagamento do 13º salário “dos mais pobres” e também dos idosos

O ministro da economia, Paulo Guedes, admitiu nesta sexta-feira que o governo estuda medidas para reduzir o impacto da pandemia para empresas e trabalhadores e, com isso, auxiliar a economia num dos piores momentos da pandemia.

Questionado pela CNN se as mesmas medidas adotadas em 2020 serão repetidas diante de um cenário agravado pela COVID-19, Guedes disse que “tem mais coisa vindo aí”. E afirmou que o governo deve antecipar o pagamento do 13º salário “dos mais pobres” e também dos idosos, o que deve ocorrer após a aprovação do orçamento, prevista para acontecer no fim deste mês.“

O abono salarial já foi antecipado. Agora, assim que aprovar o orçamento, vai ser antecipado o 13º justamente dos mais frágeis, dos mais idosos, como fizemos da outra vez. O BEM, que é o programa de preservação de empregos, já estão sendo disparadas as novas bases. Então, tem mais coisa vindo por aí”, declarou o chefe da pasta econômica.

Por: CNN

BOLSONARO SOBRE VACINA: “JÁ TIVE O VÍRUS VIVO, ENTÃO ESTOU IMUNIZADO”

Foto: Jaédson Alves/EFE

Mas o presidente admitiu que poderá se vacinar: “Lá na frente, depois de todo mundo, se eu resolver tomar, eu tomarei”, afirmou

O presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) falou aos seus apoiadores, na chegada ao Palácio do Alvorada, na noite desta sexta-feira (5/3), que deixará outra pessoa receber a vacina em seu lugar, uma vez que já testou positivo para a Covid-19 e, de acordo com ele, “está imunizado”.

“Agora, eu, por exemplo, o pessoal, alguns perturbando ‘tome a vacina’. O que é vacina? Não é um vírus morto? Eu já tive o vírus vivo. Então estou imunizado. Deixa outro tomar a vacina no meu lugar”, disse.

Em seguida, Bolsonaro voltou a defender que a vacina seja voluntária: “Lá na frente, depois de todo mundo, se eu resolver tomar – no que depender de mim é voluntário, não pode obrigar ninguém a tomar vacina, né – eu tomarei. Agora, estamos disponibilizando, ou melhor, disponibilizaremos vacina para todo mundo no Brasil gratuita e voluntária”.

Porém, essa fala do presidente de que “quem já pegou a Covid-19 fica imunizado”, foi refutada pelo próprio Ministério da Saúde. Em dezembro de 2020, a pasta e o governo do Rio Grande do Norte confirmaram o primeiro caso de reinfecção pelo novo coronavírus no Brasil.

Por: Metropoles

Topo