DOM JAIME DESTACA O LEGADO DE MONSENHOR BARROS EM SÃO JOSÉ DE MIPIBU

A comunidade católica de São José de Mipibu foi brindada na noite da quarta-feira(22), com a presença do arcebispo Dom Jaime Vieira Rocha, que a convite do padre Lenilson Morais presidiu a missa de ação de Graças pelos 255 anos da Paróquia de Sant’Ana e São Joaquim.

Na oportunidade, o arcebispo que foi homenageado com o título de Cidadão Mipibuense falou sobre o legado deixado pelo saudoso Monsenhor Barros, destacando seu zelo pelo patrimônio religiosos e a fé do povo de São José de Mipibu.

Nesse momento o representante da Arquidiocese de Natal prendeu a atenção das pessoas presentes ao ato religioso, principalmente daquelas que em algum momento conviveram com o mensageiro de Deus e padre construtor, que deu ao povo de São José de Mipibu o acesso a um ensino de qualidade por meio do Instituto Pio XII, uma velhice bem cuidada no Abrigo Anízia Pessoa, e para a juventude a Quadra de Esportes que leva o seu nome, à sociedade Monsenhor Barros contemplou  com o Centro Social, e para toda a comunidade católica do município a mais bela e bem cuidada Igreja Matriz da região.

Filho de São José de Mipibu e contemporâneo do Monsenhor Barros, me sinto no dever de prosseguir o discurso do Arcebispo, não na mesma eloquência de Dom Jaime, mas de maneira a levar para as novas gerações o incentivo para que a gestão do Monsenhor Barros a frente da nossa Paróquia não fique perdida ou esquecida em tão pouco tempo.

Desde quando chegou em São José de Mipibu, no ano de 1947, Padre Antonio como era chamado pelo povo de São José de Mipibu o novo vigário, passou a ganhar a admiração e o respeito do povo mipibuense pela maneira de administrar a Igreja e, como pastor, cuidar bem do seu rebanho.

A CASA PAROQUIAL

A exemplo do monsenhor Paulo Herôncio de Melo, que na sua época costumava abrir as portas da casa paroquial para acolher pessoas que vinham do interior em busca dos serviços oferecidos na cidade, dando a esses alimentação e estadia, Padre Antônio foi mais além na sua benevolência, adotando crianças e adolescentes das comunidades rurais, que demonstravam ter vontade de estudar mas que mediante a pobreza de seus pais e da ausência de boas escolas no interior não tinham como prosseguir nos estudos. Foram muitos os Chicos, Anchieta, Vênus e Luiz do Padre, todos após concluídos os estudos ganhavam espaço no mercado de trabalho e seguiam suas vidas, tudo por intermédio do vigário de São José de Mipibu.

A CARIDADE

Padre Antonio colocava verdadeiramente em prática tudo aquilo que pregava na Igreja. Seu discurso casava com a prática de seus atos de caridade, a oração se completava com a junção da pregação e a ação.

Nas manhãs de sábado era comum assistir o entra e sai de pessoas na Casa Paroquial, Casa que era tida como espaço acolhedor para as pessoas que no dia da feira livre realizada na sede do município se hospedavam na casa do padre e, como gratidão traziam presentes em forma de pequenos animais e frutos da região, extraídos da agricultura. Tudo de maneira muito espontânea.

O RESPEITO CONQUISTADO

Padre Antonio, apesar de sua importância à frente da Paróquia de Sant’Ana e São Joaquim não exigia da sociedade qualquer relevância em razão de sua função, sua conduta e nobreza é que fizeram brotar no sentimento do povo mipibuense o respeito a seu valor como semeador inconteste da palavra de Deus. Firme nas suas posições, Padre Antonio fazia valer não a sua vontade pessoal, mas a luta em torno do grito gritado por todos.

As crianças e adolescentes da época recebiam em casa a orientação no sentido de que ao cruzar com o padre, para se ter o dia feliz era necessário pedir a bênção, beijar a mão do representante de Deus, e quando estivesse sentado, passando Padre Antonio a nossa frente teríamos que ficar de pé demonstrando respeito, um respeito conquistado pelos seus feitos em favor de toda a coletividade, e de todas as faixas de idade.

O GESTO DE HUMANIDADE E GENEROSIDADE

Como bom observador, Padre Antonio ao perceber alguma família com dificuldade de moradia não esperava pelo pedido de socorro, se adiantava e oferecia uma das casas de propriedade da paróquia, sem a obrigação do pagamento de aluguel. Esse gesto de caridade feito no silêncio, sem qualquer anúncio prévio ou posterior era comum no sacerdote.

Quando Padre Antonio tomava conhecido de que alguém havia falecido, antes de qualquer compromisso procurava a família enlutada para levar o seu pesar. No dia seguinte ao sepultamento era certa a visita do padre para mais uma vez confortar aqueles que amanheceram na dor.

Os estudantes que na sua época conseguiam aprovação no vestibular recebiam a visita cordial do padre. Muitos desses estudantes tinham sido levados para concluir seus estudos na capital por iniciativa do padre de São José de Mipibu, minha esposa Ilma Emerenciano é um desses exemplos. Padre Antonio sempre encontrava nas escolas e patronato de Natal uma “vaguinha” para um jovem ou uma jovem de São José de Mipibu. Padre Antonio cuidava do seu rebanho dentro e fora da Igreja, e dentro e fora da Igreja ele recebia o espontaneamente o respeito de todos.

O GRANDE FEITO

Apesar de ter passado treze anos reformando a Igreja Matriz de Sant’Ana e São Joaquim, o grande feito de Padre Antonio pode ser considerado o tripé; Instituto Pio XII, Abrigo Anízia Pessoa e o aglomerado do Centro Social.

O Instituto Pio XII, fundado por Padre Antonio em 1948, sem dúvida serviu de ponto de partida para muitos estudantes que hoje ocupam lugar de destaque na sociedade civil organizada em lugares distintos do Brasil. Educandário com o propósito de educar evangelizando, o Pio XII também foi berço educacional de muitos jovens matriculados sob os cuidados do saudoso Padre Antonio.

Durante muitos anos funcionou no Instituto Pio XII um consultório odontológico que tinha como receita apenas os custos para seu funcionamento, levando saúde de boa qualidade para os pequenos educandos e pessoas da cidade.

O Abrigo Anízia Pessoa até os dias atuais presta relevantes serviços assistenciais aos menos favorecidos de São José de Mipibu. A dedicação das irmãs religiosas que administram a instituição deixada pelo Monsenhor Barros é reconhecida por toda a população mipibuense.

Pensando na juventude o então Padre Antonio construiu o Centro Social e a Quadra de Esportes, espaço onde crianças, jovens e adultos, o dia todo, todos os dias da semana praticavam esportes. A quadra esportiva era o lugar que afastava a juventude dos maus pensamentos, incentivando a prática de esportes como meio de interação e entretenimento para todos. O custo para utilizar o benefício disponibilizado pela Igreja era apenas uma taxa mínima para cobrir os custos com a iluminação, que dividido entre os atletas amadores não representava quase nenhum valor monetário.

A memória do Monsenhor Antonio Barros não pode ficar restrita apenas ao seu nome pintado na placa do Hospital Regional de São José de Mipibu, ou lembrado apenas pela passagem da data do seu falecimento, isso é muito pouco para quem fez tanto pelo povo de São José de Mipibu e região, seu exemplo deve ser seguido, sua humildade, grandeza de espírito e generosidade são valores que devem ser repassados e copiados, isso se chama fazer justiça ao padre que verdadeiramente cumpriu sua missão e soube ser um verdadeiro emissário de Deus.

Somos todos responsáveis pela divulgação do seu legado, tanto a Igreja como a sociedade, a história sobre a vida religiosa de Padre Antonio é um dos mais importantes patrimônios culturais do povo mipibuense.

Padre Antonio casou os meus pais, Djalma e Violina Emerenciano, me batizou, me concedeu a primeira comunhão, presidiu a cerimônia do meu casamento Ilma Emerenciano e batizou os meus dois filhos, Adriano e Flávia Emerenciano, e influenciou no nome de Ana Flávia, que pensávamos em batizá-la com o nome de Cristiane. “Ana” é uma homenagem a Sant’Ana, padroeira da nossa cidade, conforme pediu Padre Antonio. Pela memória de Padre Antonio, o nosso Monsenhor Barros, a minha gratidão para sempre.

2 Respostas para “DOM JAIME DESTACA O LEGADO DE MONSENHOR BARROS EM SÃO JOSÉ DE MIPIBU”

  1. Jairo Antonio Fernandes

    Sua justa homenagem me deixou emocionado, eu que carrego o seu nome e o seu amor de pai em meu coração, parabenizo por suas palavras. Tenho certeza que mesmo com o passar do tempo seu nome pouco será lembrado mais suas sementes plantadas serão colhidas por varias gerações.

    Responder
  2. Paulo Palhano

    O Blog, dirigido por Dalton e Ilma, fez e faz excelentes registros. Esse sobre os 100 anos de Monsenhor Antonio Barros, constitui-se uma peça histórica, pois esse homem dedicou sua vida a população e as cidades do Agreste Potiguar, especialmente a São José de Mipibú RN. Por isso, merece nossa vênia e nosso abraços. Um povo com história é um povo com cultura e com alma. Paulo Palhano.

    Responder

Deixar uma Resposta

Publicidade