TALUDE DE MINA EM BARÃO DOS COCAIS (MG) PODE SE ROMPER ATÉ DIA 25

A ANM (Agência Nacional de Mineração) informou nesta segunda-feira (20) que o rompimento do talude do complexo da Mina de Gongo Soco, da Vale, no município de Barão de Cocais (MG), deve acontecer até o próximo sábado (25.mai.2019). A barragem é do mesmo tipo da que se rompeu em Brumadinho, em 25 de janeiro.

Talude é 1 plano de terreno inclinado que limita 1 aterro e tem como função garantir a estabilidade do aterro. Segundo a agência, que interditou o complexo na última sexta-feira (17), o talude norte da cava de Gongo Soco estava se deslocando 10 cm por ano desde 2012, 1 deslocamento aceitável dada a dimensão da estrutura. No entanto, desde o fim de abril, a velocidade do deslocamento aumentou para 5 cm por dia.

“Se esta aceleração continuar, o rompimento do talude pode acontecer entre os dias 19 e 25 de maio”, alertou. De acordo com a ANM, dados da agência já indicam que, desde domingo (19), a velocidade de deslocamento do talude havia chegado a 7 cm por dia. A agência já havia notificado a Vale e determinado que a empresa tomasse uma série de providências emergenciais, entre elas:a suspensão imediata do tráfego do trem de passageiros no trecho do viaduto localizado a jusante [fluxo normal da água de um ponto mais alto para um ponto mais baixo] da cava;o monitoramento por vídeo em tempo real das barragens;a apresentação de estudo de comportamento da possível onda gerada pelo rompimento do talude norte.

Desde 2016, a cava e todas as obras já estavam paralisadas. Segundo a ANM, o risco de rompimento é do talude da cava e não da barragem, que fica a 1,5 km de distância da cava. A agência disse que a preocupação é que a vibração gerada pelo rompimento do talude influencie na segurança da barragem Sul Superior.

“Caso a vibração do impacto não chegue à barragem, a estrutura se manterá na condição atual, mas existe a possibilidade da ruptura ficar restrita ao interior da cava e não extravasar o material dentro dela [água e sedimentos]”, informou.

Caso haja rompimento da barragem, a ANM avalia que a onda de inundação chegaria em Barão de Cocais em cerca uma hora. A zona de auto salvamento – área onde não é possível realizar resgate imediato pela Defesa Civil – já foi evacuada desde fevereiro.

A Defesa Civil de Minas Gerais fez 1 mapeamento da área que pode ser atingida em caso de rompimento da barragem e dos pontos de encontro a serem utilizados pelos moradores da Zas:

Evacuação da Região

A barragem Sul Superior é uma das mais de 30 estruturas da Vale que foram interditadas após a tragédia de Brumadinho (MG).

Após os alertas, Barão de Cocais é o município com o maior número de casas evacuadas. A evacuação teve início no dia 8 de fevereiro quando a barragem Sul Superior atingiu o nível 2 e as famílias foram levadas para quartos de pousadas e hotéis custeados pela Vale.

Em 22 de março, a barragem Sul Superior se tornou a 1ª a atingir o nível 3, que é considerado o alerta máximo e significa risco iminente de rompimento. Desde a tragédia de Brumadinho, 4 barragens da Vale em Minas Gerais alcançaram esse alerta máximo.

De acordo com a Defesa Civil de Minas Gerais, 443 moradores da zona de autossalvamento deixaram suas residências. No dia 25 de março, 1 treinamento envolveu mais de 3,6 mil pessoas que vivem em áreas secundárias que seriam atingidas. Um novo simulado foi realizado no último sábado (18.mai.2019).

Multa à Vale

Na última sexta-feira (17), a juíza Fernanda Machado, da Vara de Barão de Cocais (MG), determinou que a Vale apresente em 72 horas 1 estudo dos impactos do rompimento das estruturas da Barragem Sul Superior. Além disso, decidiu elevar o teto de 1 multa aplicada à Vale para R$ 300 milhões.

A medida atendeu a um pedido do MP-MG (Ministério Público de Minas Gerais), que alegou que a mineradora não apresentou  estudo já solicitado pela Justiça sobre os impactos relacionados ao eventual rompimento das estruturas da Mina de Congo Soco. Conforme informações fornecidas pela empresa, a situação está pior.

Fonte: Poder 360

Deixar uma Resposta

Publicidade