Governo Fátima Bezerra reafirma que em 2024 não dará reajustes aos servidores

Foto: Everton Dantas/Divulgação

O Governo do Rio Grande do Norte não dará nenhum tipo de reajuste ou recomposição salarial para servidores em 2024, segundo previsão do secretário de Estado da Administração, Pedro Lopes.

A informação foi confirmada em entrevista coletiva nesta terça-feira (23). A informação coincide com o momento em que policiais civis e servidores da saúde mobilizam paralisações e greves cobrando atualizações salariais.

Segundo Lopes, as recomposições salariais seguem sendo negociadas com as categorias, mas com ajustes somente em 2025 e caso a arrecadação de ICMS se comporte em patamares de quando a alíquota modal era de 20%. Aliado a isso, o Governo não descarta eventuais judicializações para as greves em curso.

“Para iniciar os diálogos com as categorias em 2024 precisávamos manter a alíquota modal em 20%. O Governo reativou essa discussão na ALRN e quando começamos a perceber as dificuldades para se manter isso, chamamos o movimento sindical em novembro e anunciamos que se eventualmente não aprovássemos a lei, seria difícil iniciarmos políticas salariais em 2024. Começamos a perder receita a partir de fevereiro. O ICMS de março é praticamente a mesmo de março do ano passado. O Governo terá prejuízo de receitas e em face disso chamamos os sindicatos e anunciamos que não teríamos como fazer recomposição esse ano”, disse.

A proposta base do Governo para as categorias, segundo Lopes, é aplicar a inflação de 2022 em 2025 e dividir a inflação de 2023 em abril de 2025 e abril de 2026. Nesta semana, o Governo fechou acordo de recomposição salarial para a policiais e bombeiros militares, com negociações em aberto ainda com a Polícia Civil, Saúde e servidores da administração Direta e Indireta. Com os militares, o acordo foi de 8%.

A avaliação do governo é que, fechadas as negociações, o aumento na folha de servidores por mês chegue a R$ 76 milhões. A expectativa ainda é fechar acordo com a Saúde nesta semana, enquanto que a Polícia Civil segue em aberto. A categoria da educação já teve reajuste discutido e implantado neste ano.

“A Saúde apresentou uma contraproposta muito dentro das possibilidades do Estado. Nós falamos que vamos acatar, o único ponto é o cronograma, a implementação”, disse.

Acerca de judicializações, o secretário Pedro Lopes disse que o movimento grevista é um “direito” do servidor, mas que o Estado não descarta ações na justiça visando a garantia dos serviços para a população.

“O governo tem o dever de manter os serviços públicos. Evidentemente que a judicialização não pode ser descartada, até porque para se manter os serviços funcionando se tiver que judicializar, vamos fazer. Mas estamos investindo no diálogo”, explicou.

O MPRN ingressou, nesta terça (23), com uma ação civil ordinária pedindo o encerramento imediato da greve dos servidores da Polícia Civil e da Secretaria de Segurança Pública (Sesed). O órgão pede também o restabelecimento urgente dos serviços de polícia judiciária de forma integral em todo o Estado.

Tribuna do Norte

Bombeiros foram acionados para combater incêndio em supermercado no interior do RN

Foto: Reprodução

O Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte foi acionado, na tarde desta terça-feira (23), para combater as chamas de um incêndio em um supermercado na cidade de Baraúna, Região Oeste do RN.

Ao chegar ao local, por volta das 16h, os bombeiros iniciaram o combate ao fogo e debelaram as chamas.

O fogo teria começado na central de monitoramento e os próprios funcionários, ao perceberem, iniciaram o combate com extintores.

Felizmente, ninguém se feriu. Apenas danos materiais.

TV Ponta Negra

Prefeito impede aplicação de asfalto com recursos do governo estadual em rua da cidade que administra

Foto: Reprodução

O prefeito do município de Porto Piauí, Dó Bacelar (PP), e o pré-candidato a prefeito do PT, Aluízio Vaz, estão em confronto direto após o gestor impedir o asfaltamento de uma rua com recursos do governo estadual.

De acordo com Aluízio Vaz, o asfalto seria aplicado na Rua Vereador Manoel Rufino, no bairro São Francisco, e os recursos foram destinados pelo governo do estado através de emenda parlamentar do deputado estadual Franzé Silva (PT).

O pré-candidato do PT afirma que o prefeito se recusou a assinar a ordem de serviço para o início das obras, alegando que a rua não é prioridade para o município.

“É lamentável que o prefeito esteja colocando interesses políticos acima do bem-estar da população. A Rua Vereador Manoel Rufino é uma das mais importantes do bairro São Francisco e precisa urgentemente de asfalto”, disse Aluízio Vaz.

O prefeito Dó Bacelar, por sua vez, afirma que o asfaltamento da Rua Vereador Manoel Rufino não é prioridade para o município e que os recursos serão utilizados em outras obras mais importantes.

“Temos outras ruas que precisam mais de asfalto do que a Rua Vereador Manoel Rufino. Vamos utilizar esses recursos para atender essas demandas”, disse o prefeito.

O impasse entre o prefeito e o pré-candidato a prefeito tem gerado polêmica na cidade e dividido opiniões entre a população.

barrasemfoco

Lira envia pedido de cassação de deputado que expulsou integrante do MBL ao Conselho de Ética

Glauber Braga retira integrante do MBL da Câmara — Foto: Mario Agra/Câmara dos Deputados/Reprodução

Arthur Lira enviou ao Conselho de Ética o pedido de cassação do Novo contra Glauber Braga (Psol-RJ) pelo fato de o deputado ter expulsado a pontapés um integrante do MBL da Câmara na semana passada. Esta é a segunda representação que Braga responde este ano e a quinta dos últimos seis anos.

Braga já responde no Conselho de Ética por um pedido de cassação do PL por ter empurrado e dado puxões com o objetivo de expulsar o colega Abílio Brunini (PL-MT) em novembro do ano passado da comissão que tratava da guerra entre Israel e Faixa de Gaza.

Em 2023, Glauber Braga se envolveu em polêmica ao bater boca com Eduardo Bolsonaro (PL-SP) numa discussão sobre as remessas de joias dadas pelo governo da Arábia Saudita. No ano anterior, trocou farpas com ninguém menos que Arthur Lira e também foi parar no Conselho de Ética.

Mas os casos anteriores acabaram arquivados assim como o de 2019, quando o então PSL pediu a cassação dele por ter chamado Sergio Moro — que à época era ministro da Justiça de Jair Bolsonaro — de “juiz ladrão”.

O Globo

MP pede fim da paralisação dos policiais civis e cobra do governo do RN nomeação de aprovados em concurso

Delegacias amanheceram fechadas no RN — Foto: Vinícius Marinho/Inter TV Cabugi

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) pediu nesta terça-feira (23) na Justiça o encerramento imediato da paralisação da Polícia Civil no estado e cobrou do governo do RN a nomeação dos aprovados no último concurso da corporação.

As ações foram protocoladas após a paralisação dos policiais civis no RN, que teve início na manhã desta terça-feira (23). Nenhuma delegacia do estado funcionou e até os boletins de ocorrência on-line estavam impossibilitados, já que não havia policiais para homologação.

Entre as reinvindicações na manifestação, os policiais pedem reajuste salarial e a convocação de policiais civis aprovados no concurso mais recente.

Na ação sobre o encerramento da greve dos policiais civis e servidores da Secretaria Estadual de Segurança Pública, o MP pediu restabelecimento urgente dos serviços de polícia judiciária de forma integral no estado.

A ação do MP previu também imposição de multa diária ao Sindicato dos Policiais Civis e Servidores da Segurança do Estado (Sinpol) em caso de descumprimento.

A Procuradoria Geral de Justiça (PGJ) também pediu desconto da remuneração dos policiais pelos dias de paralisação, após julgado procedente o mérito para declarar a ilegalidade do movimento e o encerramento da paralisação.

Na ação, o Ministério Público pediu também que o governo do Estado seja intimado para intervir na demanda e pediu também condenação do Sinpol ao pagamento das custas processuais.

O MP informou que tem monitorado as manifestações desde o início de abril e que, para fins de avaliar a amplitude da movimentação e averiguar se se tratava de uma ilícita greve, a Procuradoria Geral de Justiça instaurou procedimento e expediu ofício à Sesed, à Delegacia Geral de Polícia Civil e ao Sinpol questionando a paralisação.

Antes mesmo de receber qualquer resposta formal, a paralisação foi iniciada – nesta terça-feira (23). Para o MPRN, com a ampliação das ações tomadas pelo Sinpol, incluindo a paralisação de serviços essenciais da Polícia Civil, “não restam dúvidas que existe uma ilícita greve iniciada pelos servidores da Polícia Civil e da Sesed”.

O direito de greve por parte da Polícia Civil ou de profissionais de qualquer carreira policial é inconstitucional, segundo decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de 2017.

Para o MPRN, “deve prevalecer o interesse público, especificamente a manutenção da segurança pública, da ordem e da paz social sobre o interesse individual da categoria de servidores públicos”.

Ao pedir que a ação seja apreciada com urgência, inclusive com imposição de multa cominatória, o MPRN reforçou que o perigo de dano é evidente diante dos transtornos causados à sociedade com a suspensão das atividades prestadas pelos policiais civis e pelos servidores da segurança pública estadual.

Nomeações de policiais civis

O MP também cobrou a que o estado seja obrigado a nomear 155 candidatos aprovados nas cinco etapas do último concurso da Polícia Civil.

A ação pede ainda que o Poder Executivo seja condenado a realizar, até o final do exercício de 2027, novo curso de formação ou novo concurso público para nomear mais policiais civis em quantidade suficiente para integralizar a metade do efetivo policial civil previsto em lei: 175 delegados, 2.000 agentes e 400 escrivães.

O MPRN aponta que a Lei Orgânica e Estatuto da Polícia Civil do RN sinaliza que a instituição deve funcionar com pelo menos 80% do efetivo, o que totalizaria 4.120 policiais civis, sendo 280 delegados, 3.200 agentes e 640 escrivães.

 

Cachorro morre em voo após empresa aérea mandá-lo para estado errado

 

Um cachorro de 5 anos morreu durante o transporte aéreo da Gollog, empresa da companhia Gol, depois de um erro no destino, na segunda-feira (22). O pet deveria ter sido levado do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, para Sinop (MT), no mesmo voo de seu tutor, mas foi colocado num avião que embarcou para Fortaleza (CE). Quando a família foi encontrá-lo de volta, em Guarulhos, ele estava morto.

A família diz que o golden retriever, chamado Joca, não recebeu os cuidados necessários da empresa. A companhia aérea afirma que acompanhou o animal em todo o trajeto e que o falecimento foi inesperado, já em São Paulo, depois que ele retornou.

Após desembarcar em Sinop, o tutor de Joca, João Fantazzini, aguardava que o cachorro fosse entregue para ele. No entanto, soube que o animal tinha sido levado para o destino errado. O homem acabou voltando para São Paulo para receber Joca, que seria enviado de Fortaleza para o aeroporto de onde partiu.

Há vídeos do cachorro bebendo água em uma garrafa de plástico através das grades do canil quando estava no terminal aéreo de Fortaleza, segundo o divulgado pela família tutora do animal.

“Eles colocam água em um negocinho que o cachorro tem que passar a língua para tirar água. Um cachorro daquele tamanho, com 47 quilos, não dá para acreditar nisso. Aí eles colocaram o cachorro de volta sem nenhuma avaliação, sem nenhum veterinário examinar o animal”, contou Marcia Martin, mãe de João, tutor do Joca.

“Nem estabilizaram o cachorro, nem levaram para um lugar refrigerado, nem andaram um pouquinho com ele para ver como ele estava e mandaram de volta. Quando chegou aqui em Guarulhos, eles demoraram de 30 a 40 minutos, e meu filho perguntando ‘o que aconteceu?’, ‘cadê meu cachorro?’”, completou.

Ao desembarcar em Sinop, João Fantazzini contou que chegou a perguntar onde poderia buscar o pet no espaço da Gollog. No entanto, foi avisado que teria que voltar para SP, porque, por um erro, o animal tinha ido para Fortaleza.

‘Não me incomoda’, diz Lula sobre queda na avaliação do governo

Foto: Ricardo Stuckert / PR

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou nesta terça-feira (23) que “não se incomoda” com avaliações negativas sobre o desempenho do governo, porque sabe o que o Executivo “está fazendo”. A fala ocorreu em café da manhã com a imprensa, no Palácio do Planalto. No mês passado, a rejeição ao governo do presidente chegou ao maior patamar da série histórica e alcançou 46%, segundo a Quaest/Genial.

“Tenho clareza de todas as coisas que prometi e todas as coisas que disse que ia fazer e que vou fazer, certamente. Quando então sai uma pesquisa no primeiro ano de mandato, é normal que a expectativa que não foi atendida gere mau-humor na sociedade. Antes de ser presidente, fui eleitor, sei como funciona. Neste instante, não há preocupação”, afirmou o presidente.

“A mim não me incomoda, porque o que estamos fazendo, o que estamos plantando. Se a gente colocou a semente certa, sabe o que vai colher. Sei que plantando desenvolvimento, geração de emprego, melhoria das condições salariais, do salário mínimo e tudo isso está acontecendo. Pensa que eu esqueci da cervejinha e da picanha? Não esqueci, falo até hoje. O preço da carne já abaixou e, muito, e tem que abaixar muito mais. Ou abaixa o preço da comida, ou aumenta o salário do povo”, completou Lula.

Popularidade

Em abril, a Genial/Quaest mostrou que o presidente Lula tem conseguido aumentar a aprovação do governo em São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Goiás, estados onde o atual chefe do Executivo recebeu menos votos nas eleições de 2022. Os índices de desaprovação variam entre 47% a 54%, e representaram um aumento em comparação ao número de votos do último pleito

Pela Quaest/Genial divulgada em março, a desaprovação da gestão do petista é de 62% entre os evangélicos. O último levantamento feito pelas consultorias, em dezembro do ano passado, mostrou que 43% da população reprovava o trabalho de Lula.

A aprovação ao presidente é de 51% na pesquisa divulgada neste mês, menor percentual desde o início da gestão. O levantamento foi feito entre 25 e 27 de fevereiro.

ALRN aprova Lei que assegura 10% das vagas nos concursos para pessoas com deficiência

Foto: João Gilberto

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte aprovou nesta terça-feira (23) um Projeto de Lei que assegura até 10% de vagas nos concursos públicos às pessoas com deficiência. A matéria, de autoria do deputado estadual Ubaldo Fernandes (PSDB), foi aprovada por unanimidade. A matéria segue agora para a sanção ou veto da governadora Fátima Bezerra (PT).

“A realidade do Rio Grande do Norte mostra um número discrepante entre as pessoas com deficiência e a oferta de lugares que devem possuir os concursos públicos estaduais para esse segmento da sociedade”, disse o deputado. Segundos dados do IBGE, quase 10% da população do Estado apresenta alguma deficiência.

Também foram aprovados na sessão outros 9 projetos de iniciativa do deputado Ubaldo. Entre os principais estão o que institui a Campanha “Oftalmologista na Escola” e a fixação de penalidades administrativas às pessoas físicas ou jurídicas e agentes públicos que discriminem ao que possuem Transtorno do Espectro Autista no Estado.

Personal diz que teve um romance de seis meses com Gracyanne e que Belo pediu a demissão dele na academia

Gilson de Oliveira deu uma entrevista nesta terça-feira, 23, dando sua versão sobre o fim do casamento de Belo e Gracyanne Baborsa, do qual ele foi apontado como pivô.

A entrevista foi conduzida pelo ator Raul Gazolla no canal do YouTube do advogado Joabs Sobrinho, que cuida da defesa do personal no caso. Ao lado de Gilson, Sobrinho afirmou que a notícia da traição foi plantada para promover a turnê comemorativo que Belo está fazendo com o Soweto.

Porta-voz do personal, o advogado contou que Gilson e Gracyanne ficaram juntos de fevereiro a agosto do ano passado, quando ambos estavam solteiros, e que todos da academia onde o romance começou, sabiam, inclusive Belo.

“Ela (Gracyanne) sempre deixava isso transparecer: de que o casamento com Belo não ia bem e que ela estava com uma pessoa livre e feliz por ter conhecido o Gilson. E por ele ter a mesma característica física e gostar de malhar pesado, ela começou a se interessar e se envolver”, disse o advogado.

Ele afirma ainda que Belo pediu ao próprio empresário para que fosse à academia pedir o desligamento de Gilson do trabalho.

“O Belo fez pressão, o empresário foi lá e pediu a cabeça de Gilson, que foi demitido”, disse o advogado, informando que seu cliente se afastou de Gracyanne a partir daí. “Ele nunca foi personal dela. Isso tudo foi uma covardia”, desabafou, justificando que a imagem do seu cliente foi prejudicada com toda essa polêmica.

” Ele ficou com uma fama horrorosa. Acabou de se formar na faculdade, tem dois irmãos deficientes. Está passando um perrengue danado em casa. Ele é um trabalhador e está sofrendo um montão de ataques. Tudo o que foi colocado foi para justificar o término de um casamento. E ele foi o bode expiatório”.

TNH1/R7

Comissão do Senado pauta amanhã castração química para estuprador em alternativa à prisão; a proposta polêmica é do senador styvenson

Foto:  Inside Creative House/iStock

Está na pauta desta quarta-feira (24) da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado uma proposta polêmica. Os senadores podem votar um projeto de lei que propõe castração química como alternativa à prisão para estupradores.

A proposta de autoria do senador Styvenson Valentim (Podemos-RN), relatada por Angelo Coronel (PSD-BA), tramita em caráter terminativo – isto é, vai direto para a Câmara se passar na CCJ, sem precisar passar pelo plenário. As proposições desse tipo, porém, lidam com um histórico de derrotas no Congresso.

O texto propõe que a castração química seja ofertada a estupradores reincidentes como opção para aqueles que não desejam a pena de reclusão, que pode variar de seis a 30 anos dependendo dos agravantes. “Existem muitos comentários que quando o estuprador é preso, ele é estuprado na própria cadeia, isso quando não é morto. Nesse caso, eu acho que ele vai pensar duas vezes”, justifica o relator.

Em sua análise, Angelo Coronel reconhece o tema como “polêmico”, mas acredita não haver “vícios de juridicidade e regimentalidade”. O senador argumenta ainda que não há inconstitucionalidade na matéria pelo fato de a adesão ao tratamento hormonal de castração ser voluntária e por se tratar de uma “medida alternativa”, e não uma “punição”.

Congresso em Foco/UOL

Antiga loja das Americanas na Cidade Alta é invadida

Foto: Adriano Abreu

O prédio onde funcionou por décadas as Lojas Americanas na Cidade Alta, na avenida Rio Branco, tem sido alvo de arrombamentos e furtos nas últimas semanas, segundo moradores e comerciantes da região. Nesta segunda-feira (22), a TRIBUNA DO NORTE flagrou um grupo de cinco pessoas entrando no imóvel por uma pequena porta, abrindo um portão maior e roubando o que seria uma espécie de uma peça de gerador de energia com o apoio de uma carroça. Os furtos têm sido constantes e acontecem em plena luz do dia num dos principais corredores comerciais de Natal.

O prédio fica em frente ao Banco do Brasil e à Escola Estadual Winston Churchill, com intensa movimentação de pessoas. As duas aberturas nos portões vermelho e branco atraem curiosos e transeuntes, que acabam entrando e saqueando o que resta de fios de cobre e outros equipamentos. Mesmo localizado com uma parada de ônibus na calçada, as entradas de transeuntes acontecem tranquilamente. A guarita do Banco do Brasil, inclusive, também foi alvo de furtos neste fim de semana, quando um gelágua e outros itens foram roubados

Um morador das imediações do prédio disse que pretende acionar a justiça em virtude da insegurança e abandono do imóvel. “Olha o fedor que está aí dentro. Fora a questão da insegurança”, disse um frequentador da Cidade Alta que não quis se identificar.

A loja das Americanas em questão fechou em setembro do ano passado. No mês seguinte, a loja que fica entre o banco Santander e a avenida João Pessoa encerrou as atividades. Na época, um aviso comunicava o fechamento do estabelecimento e dizia que a loja das Americanas na rua João Pessoa, no bairro de Cidade Alta, vai concentrar o atendimento na região.

“Nós que tentamos cobrar tanto do Poder Público que se tenha ações voltadas para o bairro, mas vemos que hoje a Cidade Alta tem um grande problema de especulação imobiliária. Então esses imóveis grandes ficam abandonados em virtude do valor dos alugueis serem altos e eles não locarem, ocasionando essas invasões”, disse o presidente da Associação Viva o Centro, Rodrigo Vasconcelos, entidade que representa lojistas da Cidade Alta. “Não é só o patrimônio privado que está sendo afetado, mas toda a segurança no entorno, os moradores daquele espaço e estarmos à mercê dessa marginalidade na Cidade Alta”, acrescentou Vasconcelos.

Em outubro do ano passado, foi criado um Comitê Multidisciplinar para debater o fechamento de lojas, a redução do fluxo de pessoas e consequente impacto na economia do Centro de Natal. O grupo conta com lojistas, moradores dos bairros, da iniciativa privada, através de entidades do comércio e serviços (CDL, Fecomércio, Viva o Centro, Creci), além de políticos.

Tribuna do Norte

Loja que vende o perfume ‘Jair Bolsonaro’ é suspensa após golpes na comercialização do produto

Foto: Reprodução/Instagram/agustinofficial

O maquiador e influenciador bolsonarista Agustin Fernandez anunciou o fim temporário da loja

Agustin Fernandez, maquiador e influenciador bolsonarista, anunciou o fim temporário da loja que vende o perfume “Jair Bolsonaro” , em homenagem ao ex-presidente.

Segundo o comunicado de Agustin, ele sofreu golpes na comercialização do produto. “O perfume não será comercializado no atacado, portanto, qualquer outro lugar onde você comprar, certamente, estará sendo vítima de golpe”, escreveu o maquiador.

“Gostaria de aproveitar este momento para acalmar as milhares de pessoas que têm me enviado mensagem. Eu demorei um pouco para processar tudo o que aconteceu. Nunca imaginei que alguém faria um site igual o meu, e usaria meu rosto para fazer campanhas e aplicar golpes”.

O maquiador informou ainda que vai se afastar das redes sociais e a loja ficará suspensa até a segunda semana de maio. “Este tempo offline das redes sociais vai ser muito bom não só para mim, mas também para você que é meu cliente.”

A fragrância foi lançada no dia 21 de março, quando o ex-presidente completou 69 anos. Na pré-venda, o  produto foi vendido em todas as unidades na loja de Agustin, que é amigo de Michelle Bolsonaro.

Naquele dia, o maquiador comemorou o sucesso de vendas: ‘Sem palavras. Esgotou em seis horas com um post no Facebook, uma foto de celular e um vídeo de seis segundos. Não sei nem o que dizer’, afirmou Agustin Fernandez.

O maquiador já lançou outros produtos com a família Bolsonaro , como a linha de cosméticos. Em agosto de 2023, Agustin e Michelle também anunciaram uma fragrância chamada de “Lady M”.

IG

 

Após grávida passar 30h em trabalho de parto, bebê morre em hospital

Foto: Reprodução/Metrópoles

Após uma grávida passar por 30 horas em trabalho de parto, a bebê que ela esperava morreu no Hospital Regional de Samambaia (HRSam) no domingo (21/4). Segundo a família, houve erro e negligência médica.

A secretária Bruna dos Santos Martins (foto em destaque), de 31 anos, começou sentir contrações às 5h de sábado, e às 8h buscou o hospital. O parto, por cesárea, porém só ocorreu às 17h51 de domingo (21/4).

“Esperaram minha filha morrer na barriga de minha mulher para tirar”, lamentou o motorista de construtora Felipe Augusto Gomes dos Santos, de 32. A criança, Manuele, era a primeira filha do casal.

Ao chegar ao hospital na manhã de sábado, o médico aferiu os batimentos cardíacos da criança e constatou que estavam normais. Mas não havia dilatação. Bruna e Felipe receberam orientação para voltar para casa.

Depois do almoço, o casal voltou ao hospital. Após nova avaliação, os médicos disseram que estava tudo bem, mas só havia 1 centímetro de dilatação. Novamente receberam orientação para retornar para casa.

Felipe e Bruna ficaram monitorando as contrações. Na madrugada de domingo, voltaram novamente para o hospital público. O coração de Manuele batia tranquilamente. A dilatação estava em 4 centímetros. Bruna foi internada.

Dores

O casal foi acomodado em um quarto do centro obstétrico. Na manhã de domingo, mais uma vez um médico analisou o quadro e constatou o coração um pouco acelerado. Os pais ficaram preocupados.

Felipe relatou que o médico recomendou que Bruna deitasse de lado. Cerca de 40 minutos depois, outro médico voltou e teria dito que estava tudo sob controle. “Eu perguntei. E ele disse que estava tudo certo”, lembrou.

Por volta do meio-dia, Bruna começou a sentir fortes dores e estava muito fraca. “Ela pediu para ajudarem ela. Mas eles passaram soro como oxitocina para o processo de dilatação. Enquanto isso, minha esposa sofria”, contou.

A criança estava torta

De acordo com Felipe, Bruna não conseguia mais deitar na cama. Passou a ficar em pé para aguentar as dores. Por volta das 17h40, a dilatação estava em 10 centímetros.

“Minha esposa não tinha forças. Ela pedia ajuda. Ela precisava da cesárea. Aí um dos médicos falou: a criança está torta. Invés de pararem para a cesárea, continuaram. Às pressas, do nada levaram ela para o centro cirúrgico”, disse.

Segundo Felipe, Manuele foi tirada da barriga e os médicos tentaram fazer a reanimação. “Minha esposa contou que escutou eles falando 1,2,3,1,2,3. E ela não teve acesso à nossa filha”, comentou.

A equipe do hospital informou para Felipe que teria havido uma fatalidade. Bruna não havia sido informada da morte pelos médicos. Ao chegar no quarto, gritou pela filha.

“É muito desespero. É uma cena que vai ficar para o resto da minha vida na minha mente. Eu tive que dar a notícia para ela. Minha esposa ficou em choque. Manu era um benção, um presente de Deus”, disse Felipe.

O motorista pegou a filha sem vida no colo. “Não veio nenhuma psicóloga para falar com minha esposa”, criticou.

Erro médico e negligência

Para Felipe, a filha morreu por erro médico e negligência. A cesárea deveria ter sido feita antes. A família recebeu informação de que haveria a falta do equipamento para monitorar o batimento cardíaco dos bebês nas barrigas das mães.

“Foi negligência. Os médicos não tratam as pessoas como seres humanos. Tratam como serviços. Não tem humanidade com as grávidas. Minha sofreu, chorou”, lamentou.

“A gente paga impostos. Precisamos de mais qualidade na Saúde. Não mais viadutos e pistas de concreto. Queremos serviço de qualidade para os hospitais”, arrematou.

O casal montou um quartinho especial para a menina. “A gente imaginava ela no berço, no carrinho. Imaginava brincando em casa. Falamos dela indo para a faculdade e a gente chorando na colação de grau dela. Infelizmente, eu perdi minha Manu por negligência médica”, chorou.

A família registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil (PCDF).

Outro lado

O Metrópoles entrou em contato com a Secretaria de Saúde sobre o caso. Em nota, a pasta informou que “a equipe médica seguiu os protocolos indicados para o caso e, no momento, a Comissão de Avaliação de Óbitos Fetais está avaliando a situação e, caso necessário, um processo de investigação para elucidação da situação será instaurado”.

Metrópoles

Primeira parcela do 13º do INSS pode ser consultada; pagamento começa nesta quarta

Foto: Reprodução

Aposentados, pensionistas e beneficiários de auxílios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) já podem consultar quanto receberão no mês de abril, quando começa a ser paga a primeira parcela do 13° salário. O extrato já está disponível no site do instituto ou no aplicativo Meu INSS e o pagamento começa a partir desta quarta-feira (24).

A consulta e a impressão do documento podem ser feitas pela internet, no site da instituição. Basta acessar a página meu.inss.gov.br e utilizar a senha de acesso ao sistema.

A antecipação do abono natalino será feita para 33,6 milhões de benefícios, com estimativa de R$ 33,68 bilhões a mais circulando na economia do país, segundo dados do instituto.

Os valores serão depositados com o benefício referente ao mês de abril, pago entre os dias 24 de abril e 8 de maio (confira o calendário de pagamentos).

Recebem primeiro os segurados com benefício com dígito final 1, que ganham um salário mínimo (R$ 1.412). Beneficiários com dígito final de 1 a 5 receberão o pagamento nos últimos 5 dias úteis de abril. Já os segurados de dígito final de 6 ao 9 e os com final 0 terão os pagamentos creditados junto aos que recebem benefícios acima do salário mínimo, nos primeiros 5 dias úteis de maio.

É possível consultar o número do cartão do benefício no site e aplicativo Meu INSS, pelo serviço “extrato de pagamento”. Assim como pela central 135, que funciona de segunda a sábado, das 7h às 22h.

O piso nacional atual de R$ 1.412 é o valor mínimo para aposentadorias, pensões por morte e auxílios-doença em 2024. Já o teto do INSS, que estabelece o valor máximo de qualquer benefício pago pelo instituto, é de R$ 7.786,02.

A antecipação do abono ocorreu nos últimos quatro anos, para aliviar os impactos da pandemia de Covid-19 e estimular a economia do país. O abono é normalmente pago no segundo semestre de cada ano, em agosto e novembro.

Quem tem direito ao 13º

Recebem o abono os beneficiários de aposentadoria, auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão, pensão por morte e outros auxílios administrados pelo instituto.

Quem recebe salário-maternidade também tem direito ao 13º proporcional. Porém, ele é pago junto com a última parcela do benefício e, por isso, a pessoa não recebe o valor extra junto com os demais beneficiários.

Já os segurados do BPC (Benefício de Prestação Continuada), pago a idosos de baixa renda acima de 65 anos e a pessoas carentes com deficiência, equivalente a um salário mínimo, não recebem o abono adicional.

O valor da primeira parcela corresponde a 50% do total do abono anual e não tem desconto de Imposto de Renda. O imposto é cobrado apenas na segunda parcela, que será paga entre o final de maio e o início de junho.

Calendário da primeira parcela do 13º

Quem ganha um salário mínimo

Final do benefício 1 – 24/04

Final do benefício 2 – 25/04

Final do benefício 3 – 26/04

Final do benefício 4 – 29/04

Final do benefício 5 – 30/04

Final do benefício 6 – 02/05

Final do benefício 7 – 03/05

Final do benefício 8 – 06/05

Final do benefício 9 – 07/05

Final do benefício 0 – 08/05

Quem recebe acima do salário mínimo

Final do benefício 1 e 6 – 02/05

Final do benefício 2 e 7 – 03/05

Final do benefício 3 e 8 – 06/05

Final do benefício 4 e 9 – 07/05

Final do benefício 5 e 0 – 08/05

Como consultar

Pelo site:

Acesse gov.br/meuinss

Na página inicial, vá em “Entrar com gov.br

R7

Vídeo: trator do DER é flagrado limpando terreno de invasão

Foto; Reprodução/Metrópoles

Invasores de terras públicas são alvo da Polícia do Distrito Federal (PCDF) por desmatar um terreno da Floresta Nacional de Brasília, em Brazlândia. A investigação se aprofundou quando uma motoniveladora do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF) foi flagrada limpando o terreno na invasão.

Em 15 de abril de 2024, diversos órgãos de fiscalização foram mobilizados para retirar os barracos erguidos por grileiros na região. Durante a operação, um helicóptero da Polícia Militar (PMDF) flagrou o veículo do DER-DF.

A motoniveladora fazia a supressão da vegetação na área invadida. Ou seja, era usado para a limpeza e desmatamento da região. A cena da grilagem de terras com apoio do veículo público foi gravada em vídeo.

O helicóptero se aproximou e o operador da motoniveladora conduziu o veículo para uma estrada na área. No entanto, acabou sendo abordado e identificado e o trator, apreendido.

Rastros com o “DNA” da máquina foram identificados em diversos trechos com mata nativa suprimida. A operação identificou abertura de vias e cercas em construção.

A região invadida é de propriedade da Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap). Por nota, o DER-DF informou que abrirá um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) para apurar o caso e tomará as providências necessárias, após o fim da apuração.

O caso é investigado pela Coordenação Especial de Proteção ao Meio Ambiente.

Metrópoles

Topo