PARAIBANA JULIETTE É A CAMPEÃ DO BBB21 COM 90,15% DOS VOTOS E GANHA R$1,5 MILHÃO

Foto: Reprodução/TV Globo

Juliette venceu a final do BBB21 nesta terça-feira, 4/5. Com 90,15% dos votos, a campeã conquistou o público e levou para a casa o prêmio de R$ 1,5 milhão.

Tiago Leifert começou o discurso do grande resultado, falando sobre as transformações que todos os participantes sofrem ao longo do jogo. Ele citou as mudanças em Camilla de Lucas, Fiuk e Juliette, e elogiou os finalistas.

Sobre a paraibana, o apresentador disse: “Indecisa, sem noção, possessiva, frágil, caça like, oportunista, fora o que falaram nas suas costas. Monte seu pódio sem a Juliette. Tentaram de tudo te deixar triste, louca e má. E dá vontade de fazer discurso vingativo, não quero te fazer chorar. Você é o oposto. Você não caia na armadilha de atacar os outros. Quando tinha tudo para se tonar má, se manteve boa, alegre e sã. Ser no BBB assim é perigoso, porque não acreditam em você. Tudo se polariza e ela quer me perdoar? Isso não existe. E era o exato oposto disso. A verdade é que você nunca esteve sozinha e nunca mais vai se sentir sozinha. Quem está dizendo não sou eu, são quase 24 milhões de seguidores nas redes sociais. Você é um fenômeno, você nunca saiu do primeiro lugar”, disse Tiago Leifert a Juliette.

Camilla de Lucas ficou em segundo lugar e recebeu 5,23% dos votos. Em terceiro, Fiuk recebeu 4,62%.

O trio ficou muito emocionado com o resultado. “Acreditem em vocês, acreditem nas pessoas”, disse Juliette.

O ‘Big Brother Brasil 21’ trouxe, além de muitas polêmicas, histórias de vida emocionantes dos participantes. É o caso de Juliette, escolhida a campeã do ‘BBB21’ com 90,15% dos votos . A paraibana, de 31 anos, já era franca favorita a ganhar o programa há tempos.  

Autêntica e dona de um carisma sem igual, Juliette foi a grande protagonista da temporada do reality, mesmo sem sorte no jogo — a primeira e única prova do líder que ela venceu foi justamente a última. Aqui fora, no entanto, a sister de 31 anos sai abraçada e ovacionada por seus milhões de fãs. Só no Instagram, onde tinha cerca de 3,8 mil seguidores quando entrou no “BBB 21”, ela já somava, ontem à noite, mais de 23,4 milhões.

O Globo/GShow

MORRE ATOR E COMEDIANTE PAULO GUSTAVO, AOS 42 ANOS, EM DECORRÊNCIA DA COVID-19

Paulo Gustavo (Foto: Reprodução/Instagram)

O ator e comediante Paulo Gustavo, de 42 anos, morreu na noite desta terça-feira por complicações da Covid-19. Internado desde o dia 13 de março no Copa Star, na Zona Sul do Rio, ele foi intubado no dia 21 do mesmo mês, depois de sentir dificuldade para respirar.

“Às 21h12 desta terça-feira, 04/05, lamentavelmente o paciente Paulo Gustavo Monteiro faleceu, vítima da covid-19 e suas complicações. Em todos os momentos de sua internação, tanto o paciente quanto os seus familiares e amigos próximos tiveram condutas irretocáveis, transmitindo confiança na equipe médica e nos demais profissionais que participaram de seu tratamento”, disse a nota.

“A equipe profissional que participou de seu tratamento está profundamente consternada e solidária ao sofrimento de todos.”

A morte do artista foi confirmada pela assessoria do ator. Paulo era casado com o médico Thales Bretas desde 2015, e em 2019 eles se tornaram pais de filhos Romeu e Gael, que nasceram por meio de barriga de aluguel.

Muito querido no meio artístico, Paulo Gustavo ficou assustado ao ver outros pacientes tão jovens quanto ele no hospital em que estava. Tatá Werneck, uma das melhores amigas, contou que conversou várias vezes com o artista enquanto ele já estava internado, mas ainda sem precisar ser intubado.

“O Paulo me ligou várias vezes, bem-humorado, fazendo piada… Ele é maravilhoso. E falou: ‘Tatá, só tem jovem aqui, no corredor do lado… Só tem jovem. Só tem gente de 30, 20, 40 anos’”, lembrou a atriz e apresentadora durante uma live com o escritor e advogado Pedro Siqueira, com quem rezou um terço na intenção do amigo no último dia 23.

Formado pela Casa de Artes de Laranjeiras (CAL), Paulo Gustavo se destacou em 2006 ao estrear o monólogo “Minha mãe é uma peça” em Niterói, sua cidade natal, vivendo Dona Hermínia, sua personagem mais famosa, inspirada em sua mãe, Déa Lúcia, que lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Shell de Melhor Ator. O espetáculo se tornou um fenômeno, visto por mais de dois milhões de espectadores, e ganhou os cinemas. Foram três filmes, todos um sucesso. O terceiro, inclusive, bateu recordes e se tornou a maior bilheteria do cinema nacional.

O histórico do estado de Paulo Gustavo

O comediante foi intubado em 21 de março, após 8 dias de internação para combater a covid-19. Paulo Gustavo, no entanto, continuou a apresentar piora do quadro respiratório e, no dia 2 de abril, a equipe médica decidiu submetê-lo à terapia por ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea) na UTI, uma técnica também conhecida como pulmão artificial que auxilia na oxigenação do sangue.

No dia 4 e, novamente, no dia 9 de abril, o ator passou por procedimentos por via endoscópica (toracoscopia) para corrigir fístulas bronco-pleurais, uma comunicação anormal entre brônquios e pleura, a membrana dos pulmões, que permite o vazamento de ar.

Em 11 de abril, o ator seguia em estado crítico e teve nova fístula detectada, segundo nota à imprensa, recebendo reposição de fatores de coagulação. No dia 15 de abril, um novo boletim médico afirmou que ele também foi submetido naquela semana a “várias intervenções, como broncoscopias, e alguns procedimentos cirúrgicos” que controlaram hemorragias.

Segundo a equipe de Paulo Gustavo, o boletim divulgado no dia 26 de abril informou que uma nova pneumonia bacteriana havia sido identificada. Na ocasião, os médicos estavam otimistas, acreditavam que o problema estava sendo tratado de forma eficiente e falavam em “evidências de melhora na função pulmonar”.

Ontem pela manhã, ele tinha acordado e interagido com o marido, informaram os médicos. Porém, mais tarde, o ator teve uma embolia súbita que atingiu o sistema nervoso.

O Globo/UOL

ATOR PAULO GUSTAVO MORRE AOS 42 ANOS VÍTIMA DA COVID-19

Foto: Reprodução

O ator, humorista e diretor Paulo Gustavo morreu na noite desta terça-feira (4) em decorrência de complicações da Covid-19. Ele tinha 42 anos e deixa dois filhos de 1 ano de idade, Romeu e Gael, e o marido, o médico Thales Bretas, com quem se casou em dezembro de 2015.

Internado desde 13 de março, ele realizou tratamento em um hospital privado em Copacabana, no Rio de Janeiro. Pouco depois, em 21 de março, Paulo Gustavo teve de ser intubado devido às dificuldades respiratórias causadas pelo novo coronavírus.

Após alguns dias de evolução favorável, Paulo Gustavo voltou a piorar no início de abril, necessitando de um tratamento conhecido como Oxigenação por Membrana Extracorpórea (ECMO, na sigla em inglês), que buscava auxiliar a função pulmonar.

Mas, no fim de abril, houve nova piora: o ator apresentou um quadro de pneumonia bacteriana.

De acordo com o último boletim médico, o ator morreu às 21h12 por causa de complicações da Covid-19.

“Em todos os momentos de sua internação, tanto o paciente quanto os seus familiares e amigos próximos tiveram condutas irretocáveis, transmitindo confiança na equipe médica e nos demais profissionais que participaram de seu tratamento. A equipe profissional que participou de seu tratamento está profundamente consternada e solidária ao sofrimento de todos”, diz o comunicado.

Durante a longa internação do ator, diversos artistas manifestaram solidariedade, pedindo orações pela recuperação do colega – Tatá Werneck chegou a convocar uma oração coletiva pela saúde de Gustavo e de outras vítimas da Covid-19. “Paulo é assim. Generosidade pura. Engraçado 24 horas. Rezemos hoje por ele e por todos os que estão precisando de saúde”, pediu a apresentadora.

CNN Brasil

FÁBIO FARIA ASSINA PORTARIA PARA QUE NOVOS CELULARES TENHAM RÁDIO FM

Foto:  Fábio Rodrigues Pozzebom

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, assinou nesta 3ª feira (4.mai.2020) uma portaria determinando que aparelhos celulares que já tenham a rádio FM como função embutida a ativem. O documento será publicado na 4ª feira (5.mai) no Diário Oficial da União.

O ministro disse que foi criticado por defender a medida, mas negou tratar-se de interferência do Estado da economia.

“Eu sou totalmente liberal na economia, mas nós estamos passando por um momento de coronavírus, pandemia. As pessoas estão em casa. […] E muita gente ainda não tem : 40 milhões de brasileiros e quase todo mundo tem rádio e ouve o rádio e tem celular. E uma coisa que eu não sabia antes de virar ministro é que 90% dos celulares do Brasil, eles têm rádio, mas eles não são ligados”, afirmou.

O deputado licenciado disse que a ativação não trará custos para as empresas de telefonia e que “conversou com todas e elas toparam”, mas não detalhou. Em comunicado emitido depois do anúncio, a pasta informou que a regra valerá a partir de 1º de junho para “novos modelos que serão fabricados”, estando restrita a celulares produzidos e comercializados no Brasil.

Faria afirmou, no entanto, que celulares mais caros –a partir de R$ 5.000, citou como exemplo– não serão afetados. “Isso é mais para quem mora no campo, que trabalha isolado”, disse sem explicar as condições.

DIGITALIZAÇÃO DA TV

O ministro anunciou também a assinatura de outra portaria que define diretrizes para que seja concluída a digitalização da televisão no país.

Segundo o secretário de Radiodifusão do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão, o governo federal prestará assistência para que 1.638 pequenos municípios sejam contemplados com a tecnologia.

“Esses recursos envolvem 700 mil kits em estoque, a distribuição de até 4 milhões de kits de recepção para população dos programas assistências do governo federal e a infraestrutura de transmissão de TV”, explicou.

O secretário afirmou também que a iniciativa contempla reabertura de prazos e simplificação do processo de implantação pela iniciativa privada.

Poder360

CAMPANHA CONTRA A COVID-19, CLOROQUINA E CRÍTICAS A PAULO GUEDES: O DEPOIMENTO DE MANDETTA NA CPI

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Por mais de sete horas, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta foi o primeiro a prestar depoimento na CPI da Covid-19, instalada para apurar ações e omissões do governo do presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia do novo coronavírus.

Aos senadores, Mandetta disse que o Palácio do Planalto não queria fazer uma campanha oficial contra a doença, afirmou que não partiu da pasta então comandada por ele a ordem para que o Exército produzisse compromidos de cloroquina, medicamento ineficaz no tratamento à infecção, e ainda fez críticas ao ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem chamou de “desonesto intelectualmente” e “muito pequeno para estar onde está”.

Nesta quarta-feira, 5, o colegiado ouvirá o ex-ministro Nelson Teich, que deixou o Ministério da Saúde menos de um mês após tomar posse.

Mandetta afirmou que as coletivas de imprensa diárias, concedidas por ele e sua equipe, foram idealizadas para que o Ministério da Saúde pudesse transmitir informações e orientações sobre o coronavírus, já que não havia um plano de comunicação do governo.

“Aquelas entrevistas, elas só existiam porque não havia plano de comunicação. O normal, quando se tem uma doença infecciosa, é você ter uma campanha institucional. Como foi, por exemplo, a Aids. Havia uma campanha onde se falava sobre a Aids, como pega, orientava as pessoas a usar preservativo. Era difícil para a sociedade brasileira fazer, mas havia uma campanha oficial. Não queriam fazer uma campanha oficial [contra a Covid-19]”, disse o ex-ministro.

Na primeira parte de seu depoimento, Mandetta foi questionado pelo relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL), sobre a ordem para que o Laboratório Central do Exército produzisse comprimidos de cloroquina, remédio ineficaz no tratamento à Covid-19. Segundo o ex-ministro, não houve nenhuma recomendação do Ministério da Saúde.

“A ordem não partiu do Ministério da Saúde. A única coisa que o ministério fez era recomendar para o uso compassivo, aos pacientes graves, em uso hospitalar. Mesmo porque é uma droga em que a margem de segurança dela é estreita. Ela tem uma série de reações adversas. A automedicação com cloroquina e outros medicamentos poderia ser muito arriscada para as pessoas”, explicou.

Mandetta também fez críticas ao ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem chamou de “desonesto intelectualmente” e de “muito pequeno para estar onde está”. Para o ex-ministro da Saúde, Guedes é uma das vozes que influenciou o presidente Jair Bolsonaro durante a pandemia.

“Esse ministro era desonesto intelectualmente, uma coisa pequena, um homem pequeno para estar onde está”, disparou. “Quando esteve na Câmara, ele falou que [o ministro da Saúde] saiu com R$ 5 bilhões e não comprou vacina. Esse ministro não soube nem olhar o calendário para falar ‘puxa, enquanto ele estava lá, nem vacina havia”, acrescentou.

Em seu depoimento, Mandetta também disse que o titular da Economia “não ajudou nada”. “Pelo contrário, falava que já tinha mandado o dinheiro e que se virem. Vamos tocar a economia. Talvez tenha sido uma das vozes que tenha influenciado o presidente”, avaliou.

Jovem Pan

POLÍCIA DIZ QUE SUSPEITO DE ATAQUE EM SC ERA QUIETO E SOFRIA BULLYING

Foto: Hygino Vasconcellos

A Polícia Civil disse hoje que o suspeito pelo ataque que deixou três crianças e duas mulheres mortas numa creche em Saudades (SC) tinha o perfil de um jovem reservado e que vinha sofrendo bullying na escola. A apuração inicial dos policiais também aponta que o homem de 18 anos vinha maltratando animais e não queria mais ir à escola, onde cursava o ensino médio.

”A gente já tem algumas informações que conseguiu colher no dia de hoje, que dão mais ou menos um perfil, ainda incipiente, mas de um rapaz problemático. Quem me relatou isso foram pessoas próximas a ele. [O jovem] vinha enfrentando bullying na escola, vinha maltratando alguns animais, [era] muito introspectivo.”

O atentado aconteceu na CEI (Centro de Educação Infantil) Pró-Infância Aquarela, voltado para crianças de até 3 anos. Duas funcionárias da instituição e duas crianças morreram após terem sido golpeadas com uma arma branca, tipo facão.

Após o ataque, o jovem tentou se matar, mas foi interrompido por populares e está internado. Até o meio da tarde, seu estado de saúde era estável.

Segundo o delegado Marçal, o jovem pode ser descrito como uma pessoa “relativamente simples” e proveniente de uma “família humilde”. Ele trabalhava em uma empresa no município de Saudades e, segundo relatos de familiares, guardava dinheiro em espécie em casa.

“Como ele não era de socializar, estava guardando dinheiro”, disse. O delegado afirmou ainda que o jovem gostava de jogos online, sendo alguns deles “com violência”. O homem não tinha antecedentes criminais ou passagens pela polícia. Até o momento, não se sabe qual foi a motivação do crime.

Segundo a polícia, o jovem portava duas armas brancas, mas apenas uma delas teria sido utilizada no ataque. Ambas teriam sido compradas há pouco tempo. De acordo com o delegado Marçal, o jovem chegou a afirmar que usaria os instrumentos para maltratar um animal de uma familiar.

“Ele brincou com ela que era para maltratar o bichinho que ela tinha em casa. Ninguém imaginava que ele faria isso”, declarou.

UOL

SEGUNDA DOSE CORONAVAC ESTARÁ DISPONÍVEL AMANHÃ PARA QUEM SE VACINOU ATÉ 28 DE MARÇO

Foto: Alex Régis/Secom

A Prefeitura de Natal inicia nesta quarta-feira (05) a vacinação da segunda dose do imunizante Coronavac para as pessoas que se vacinaram até o dia 28 de março. Esse grupo contempla 1.149 pessoas e destas, 45% são idosos de 70 a 74 anos e 55% são profissionais/trabalhadores de saúde que estão com a segunda dose em atraso.

A vacinação acontece nos drives da UnP da Avenida Engenheiro Roberto Freire e no Ginásio  Nélio Dias, no horário das 8h às 16h, ou ainda nas seguintes Unidades Básicas: UBS Nazaré, UBS Candelária, UBS São João, UBS Panatis e UBS Pajuçara. Os horários de funcionamento das Unidades Básicas são das 8h às 11h30  e das 12h30 às 15h. É importante lembrar que é necessário levar o cartão de vacinação, comprovante de residência de Natal e documento com foto.

A SMS Natal pede que quem está fora desse prazo não compareça aos locais de vacinação a fim de evitar aglomerações desnecessárias, uma vez que só receberão a segunda dose as pessoas que se vacinaram em Natal até a data de 28 de março.

MANDETTA: BOLSONARO FOI ACONSELHADO A MUDAR BULA DA CLOROQUINA PARA TRATAR COVID

Foto: Jefferson Rudy

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), disse durante oitiva da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia nesta terça-feira (4) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tinha um “aconselhamento paralelo” sobre as medidas a serem adotadas para conter os avanços do coronavírus no país e teria tentado colocar em prática o assessoramento.

Segundo Mandetta, o governo federal chegou a elaborar um decreto, não timbrado, com o objetivo de determinar que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mudasse a bula da Cloroquina para que o medicamento passasse a ser recomendado no tratamento de Covid-19. O governo, porém, não deu prosseguimento ao projeto após receber a negativa do presidente do órgão regulador, Antônio Barra Torres.

Ao ser dissuadido, Bolsonaro teria dito ser apenas uma ideia. Para Mandetta, a existência de um projeto de decreto revela o aconselhamento paralelo que o presidente recebia. “Fora do Ministério da Saúde, ele construiu alguns aconselhamentos que levaram para essas tomadas de decisões”.

No ano passado, Mandetta disse em entrevista ao jornal EL País que Bolsonaro preferia consultar outras fontes sobre como lidar com o curso da pandemia, em vez de atender às recomendações apresentadas pelo Ministério da Saúde e por outras instituições científicas reconhecidas.

“Eu testemunhei várias vezes reunião de ministros em que o filho do presidente, que é vereador no Rio de Janeiro (Carlos Bolsonaro – PSC), estava sentado atrás tomando as notas da reunião. Eles tinham constantemente reuniões com esses grupos dentro da Presidência”, afirmou Mandetta.

CNN Brasil

CPI DA PANDEMIA OUVIRÁ PAZUELLO EM 19 DE MAIO

Foto: Marcelo Camargo

O depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia foi remarcado para o dia 19 de maio, que cairá em uma quarta-feira. O presidente do colegiado, senador Omar Aziz (PSD-AM), sugeriu a data e a submeteu à votação simbólica dos membros.

Pazuello seria ouvido amanhã (5) na CPI, mas um ofício da Secretaria-Geral do Exército informou que o ex-ministro teve contato com dois servidores do Poder Executivo que foram diagnosticados com covid-19. Com isso, a participação de Pazuello na CPI foi remarcada para daqui 15 dias, após a sua quarentena.

O ex-ministro chegou a sugerir a alternativa de manter o seu depoimento na data original, mas feita de maneira remota. Aziz, no entanto, fez questão da presença do ex-ministro no plenário da comissão.

Eduardo Pazuello, que comandou o Ministério da Saúde por dez meses durante a pandemia, deve ser questionado, entre outros assuntos, sobre o problema da falta de oxigênio em Manaus, o número de mortos e infectados pela doença e a demora na compra de vacinas.

Agência Brasil

COVID: BRASIL REGISTRA 2.966 ÓBITOS E 77 MIL NOVOS CASOS NAS ÚLTIMAS 24H

Foto: Sérgio Lima

O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil nesta terça-feira (4). O país registrou 2.966 óbitos nas últimas 24h, totalizando 411.588 mortes;

Foram 77.359 novos casos de coronavírus registrados, no total 14.856.888 milhões pessoas já foram infectadas. O número total de recuperados do coronavírus é 13.442.996, com o registro de mais 77.359 pacientes curados. Outros 1.002.304 pacientes estão em acompanhamento.

CÂMARA DE NATAL APROVA PROJETO QUE TORNA BARES E RESTAURANTES ESSENCIAIS

Foto: Sérgio Henrique Santos

A Câmara Municipal de Natal aprovou durante sessão nesta terça-feira (4) o projeto que torna bares e restaurantes atividades essenciais durante a pandemia. A proposta é de autoria do vereador Aldo Clemente (PDT) e tem como objetivo estabelecer regras de funcionamento para o setor a partir de rígidos protocolos de segurança. O parlamentar justifica, no substitutivo ao Projeto de Lei Nº 166/2021, que o setor de restaurantes, bares e similares vem sendo um dos mais prejudicados pela pandemia, sendo este responsável pela geração de milhares de empregos.

“A aprovação desse projeto não é para a proliferação do vírus COVID, pelo contrário é para que sejam feitas as devidas fiscalizações. Nossa proposta é encontrar uma forma de proteger a vida da população, mas também o trabalhador, os salários e os empregos que já estão cada vez mais escassos. O setor vem sendo um dos mais prejudicados pela pandemia, sendo este responsável pela geração de milhares de empregos diretos e indiretos na capital”, disse Aldo Clemente.

O vereador de Natal destaca também a participação na arrecadação de impostos no Município. Ele alerta que o risco de falência desses estabelecimentos poderá impactar sobremaneira na arrecadação de impostos municipais. “A atividade turística movimenta hoje cerca de 65% da economia de Natal e os bares e restaurantes têm uma parcela significativa nessa área”, destacou o vereador.

O projeto, que já havia sido aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação Final da Câmara Municipal, também passou pelas Comissões de Saúde e de Indústria, Turismo, Comércio e Empreendedorismo da Casa. Com isso, a câmara municipal de Natal decidiu com 19 votos favoráveis e apenas 3 contrários pela aprovação da proposta. O projeto será encaminhado para o gabinete do prefeito Álvaro Dias (PSDB) para ser sancionado.

ESPADA NINJA: VÍDEO MOSTRA ARMA UTILIZADA EM ATAQUE A CRECHE EM SANTA CATARINA

Foto: Willian Ricardo/NDMais

A arma utilizada no ataque a escola infantil Pró-Infância Aquarela, em Saudades, no Oeste catarinense, na manhã desta terça-feira (4), foi uma Katana, tradicional espada japonesa usada pelos samurais, popularmente conhecida como “espada ninja”. A informação foi confirmada pela Polícia Civil.

A arma foi recolhida no local do crime e encaminhada à perícia. Com ela, um jovem de 18 anos matou cinco pessoas. Entre as vítimas fatais estão três crianças, todas bebês com até dois anos, a professora Keli Adriane Anieceviski, de 30 anos, e a agente educativa, Mirla Renner, de 20 anos. Uma quarta criança também foi atingida, mas sobreviveu.

A identidade das crianças, duas meninas e um menino, não foi confirmada até o momento. Segundo a assessoria de imprensa do IGP (Instituto Geral de Perícias), por serem crianças as identidades serão confirmadas somente em coletiva de imprensa dos órgãos de segurança, agendada para a tarde desta terça-feira.

R7

‘ELE PERGUNTAVA QUANTAS PESSOAS TINHA MATADO’, DIZ SOLDADO QUE RESGATOU VÍTIMAS DE ATAQUE EM SC

Foto: Felipe Eduardo Zamboni

Após esfaquear três crianças e duas professoras de uma escola infantil do município de Saudades, em Santa Catarina, o suspeito de 18 anos apontado como responsável pelo ataque cortou o próprio pescoço com a faca utilizada para matar suas vítimas. Ele não conseguiu concluir a tentativa de suicídio e ficou estirado no chão.

“Ele estava sangrando bastante, mas permaneceu consciente. Perguntava quantas pessoas tinha matado. E dizia que queria morrer”, diz o soldado Raphael Blazech, do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, que fez parte do primeiro grupo da corporação a chegar ao Centro de Educação Infantil Aquarela, minutos após o ataque que causou a morte de três crianças e duas professoras por volta das 10h desta terça-feira (4).

O militar relata a cena de pânico que presenciou no local. “Era muita correria, muito desespero, com as pessoas gritando. Encontramos duas crianças mortas, assim como uma professora. Resgatamos uma outra professora e um terceiro aluno”, explicou Blazech.

Os dois feridos morreram no hospital público da cidade. “Infelizmente, não conseguimos salvar nenhuma das vítimas”, lamentou o militar do Corpo de Bombeiros.

O autor do ataque foi levado para outra unidade de saúde no município vizinho de Pinhalzinho e, horas depois, acabou transferido para um hospital em Chapecó.

O Globo

 

INVESTIGAÇÃO CONCLUI QUE FILIPE MARTINS, ASSESSOR DE BOLSONARO, FEZ GESTO COM CONOTAÇÃO RACISTA NO SENADO

Foto: Reprodução

O Ministério Público Federal recebeu o relatório final da investigação envolvendo o assessor para assuntos internacionais da Presidência, Filipe Martins. O auxiliar do governo Jair Bolsonaro foi indiciado pela Polícia do Senado e, agora, o MPF terá que decidir se denuncia Martins ou se opina pelo arquivamento.

A apuração concluiu que os gestos feitos às costas do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), em 24 de março, tinham conotação racista. Martins foi indiciado com base no artigo 20 da lei 7.716/1989, que fala em pena de reclusão de um a três anos e multa para quem “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.”

O inciso 2º do artigo 20 diz que a pena de reclusão passa a ser de dois a cinco anos caso os crimes sejam cometidos por intermédio de meios de comunicação social ou publicação de qualquer natureza.​

Em países que vivenciam o crescimento de movimentos de extrema direita, o gesto feito por Martins é associado ao movimento supremacista branco. Os três dedos esticados simbolizam a letra “w”, que seria uma referência à palavra em inglês “white” (branco). O círculo formado representa a letra “p”, para a palavra “power” (poder). Ou seja, o símbolo é apontado como simbolizando “poder branco”.

Pesquisadores que estudam as simbologias da extrema direita alegam que o gesto vem sendo utilizado como uma mensagem codificada com o intuito de que membros de grupos racistas possam identificar uns aos outros.

A obscenidade também associada ao gesto vem de seu uso no Brasil como uma forma de dizer “vai tomar no c.”. No Twitter, Martins afirmou que estava ajeitando a lapela do terno e negou que tenha feito um gesto racista.

Folha de S.Paulo

STJ CONCEDE HABEAS CORPUS A EDUARDO CUNHA EM CASO DE LAVAGEM DE DINHEIRO

Foto: Fábio Rodrigues

A 6ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) concedeu habeas corpus ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB) nesta 3ª feira (4.mai.2021). O processo que foi originado da operação Lavat foi encaminhado para a Justiça Eleitoral, como pedia a defesa do ex-deputado.

A operação Lavat investigou os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ela foi um desdobramento da operação Manaus, deflagrada em junho de 2017, que levou à prisão do ex-ministro do Turismo e ex-deputado, Henrique Eduardo Alves.

Tanto Cunha quanto Alves foram investigados por supostas propinas recebidas para favorecer empreiteiras no Rio Grande do Norte. Seriam R$ 77 milhões envolvidos nas obras da Arena das Dunas para a Copa do Mundo de 2014.

O ministro Antonio Saldanha, presidente da 6ª Turma do STJ, foi o relator do caso. Ele afirmou que a competência para julgar o caso era da Justiça Eleitoral. Isso porque, de acordo com a acusação, a propina teria sido repassada por meio de doações oficiais para a campanha eleitoral do político.

De acordo com ele, decisões do STF já estipularam que crimes eleitorais e crimes comuns ligados à atividade eleitoral devem ser julgadas pela Justiça especializada, conforme a Constituição. Todos os outros 4 ministros seguiram o voto do relator.

Não há data para o caso ser analisado pela Justiça Eleitoral, que ainda deve analisar os documentos do processo.

“Nós estamos aqui reconhecendo a competência da Justiça Eleitoral e determinando a remessa dos autos para exame daquela Justiça especializada“, afirmou Saldanha.

Poder360

Topo